Mamografia regular reduz em 40% o risco de mortalidade por cancro
DATA
04/06/2015 13:00:02
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Mamografia regular reduz em 40% o risco de mortalidade por cancro

Mamografia

As mulheres entre os 50 e os 69 anos que efectuam mamografias regularmente, a cada dois anos, reduzem em 40 por cento o risco de morrer de cancro da mama, mostra um estudo internacional publicado hoje nos Estados Unidos.

O trabalho, publicado no New England Journal of Medicine, indica que para as mulheres que não realizam o exame esse risco baixa em 23 por cento.

Este estudo foi desenvolvido por especialistas de seis países que avaliaram os impactos positivos e negativos dos diferentes métodos de despistagem do cancro da mama, com base numa análise de resultados de 11 ensaios clínicos controlados, bem como de 40 estudos de observações.

Os trabalhos foram coordenados pela Agência Internacional de Investigação sobre o Cancro (IARC), um organismo da Organização Mundial de Saúde (OMS).

As conclusões contribuirão para uma actualização do manual da IARC sobre a despistagem do cancro mamário, cuja última edição remonta a 2002.

“Esta análise importante, deverá, esperamos, esclarecer as mulheres no mundo sobre o efeito da mamografia nas suas vidas e que a despistagem do cancro da mama é essencial para o diagnóstico precoce, que faz reduzir a mortalidade”, afirmou o professor Stephen Duffy, da Universidade Queen Mary, em Londres, um dos co-autores.

Este estudo confirma estudos precedentes segundo os quais as mulheres entre os 50 e os 69 anos beneficiam mais das mamografias.

É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.