Comissões de Utentes protestam junto ao hospital do Barreiro
DATA
05/06/2015 13:00:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Comissões de Utentes protestam junto ao hospital do Barreiro

HospitalBarreiro

Cerca de uma centena de pessoas manifestou-se ontem junto à entrada do hospital do Barreiro, referindo que as respostas ficam "muito aquém" das necessidades da população.

"A resposta do Hospital do Barreiro fica muito aquém das necessidades. É inconcebível o tempo que se espera na urgência, mas também nas consultas externas existem tempos de espera que não são admissíveis e são constantes os adiamentos das cirurgias", disse à Lusa o representante das Comissões de Utentes da Saúde do Arco Ribeirinho, José Fernandes.

As Comissões de Utentes da Saúde do Arco Ribeirinho e a Associação de Mulheres com Patologia Mamária realizaram ontem, junto à entrada do hospital, uma tribuna pública, que contou com a presença de autarcas dos concelhos do Barreiro e Moita.

"Temos de lutar para defender o que temos direito, para defender aquilo que já tivemos e nos estão a roubar, porque sem lutar não temos nada. Houve algumas obras nos centros de saúde e no hospital do Barreiro, porque nós lutámos por isso", frisou.

José Fernandes referiu que existem especialidades que estão a "ser transferidas para outras unidades de saúde", dando o exemplo da obstetrícia.

"Ainda hoje surgiu a informação de que as grávidas em trabalho de parto não seriam atendidas no Hospital do Barreiro devido a uma redução da equipa de urgência de obstetrícia e ginecologia", salientou.

José Fernandes garantiu que as comissões de utentes vão continuar a lutar e deixou críticas ao presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

"Temos pedido constantemente uma reunião com o presidente da ARS-LVT mas não nos responde sequer, esse Senhor devia demitir-se. Nós vamos continuar a lutar para defender os utentes", concluiu.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas