35 mil sem médico de família no ACES Médio Tejo
DATA
15/06/2015 16:51:40
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




35 mil sem médico de família no ACES Médio Tejo

Sinalética centro de saúde

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo tem 35 mil utentes sem médico de família, indicou ontem a directora do ACES, tendo o secretário de Estado da Saúde afirmado que o problema se resolverá em dois anos.

Em declarações à agência Lusa, à margem da inauguração das novas instalações da Extensão de Saúde do Penhascoso, em Mação, cerimónia que contou com a presença do secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, a directora do ACES, Sofia Theriaga, revelou que tem cerca de 35.000 utentes sem médico de família, de um total de 229.765 utentes pertencentes a 11 concelhos, sendo os casos de Abrantes, Ourém, Torres Novas e Sardoal "os mais complicados".

"Ter 35 mil utentes sem médico de família é uma grande preocupação para mim e para o Conselho Clínico do ACES do Médio Tejo porque são muitos utentes que estão sem acesso a cuidados médicos adequados, tendo em conta que apenas podem dispor de cuidados médicos através de consultas de recurso", disse Theriaga.

"O número de médicos especialistas que estão a entrar no mercado ainda não é suficiente para as necessidades e tenho a ideia que só dentro de ano e meio a dois anos teremos a situação regularizada e todos os utentes com médico de família", perspectivou a directora do ACES do Médio Tejo, tendo acrescentado que a actual situação só ficaria resolvida com a colocação de 16 a 17 médicos.

Em declarações à Lusa, o secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, apontou, igualmente, para um "prazo de dois anos" para que todos os portugueses tenham médico de família.

"A meta desde o início que era ambiciosa e que era, precisamente, dar um médico de família a todos os portugueses", lembrou o governante, tendo observado que "graças a essa ambição, foi possível chegar a um ponto em que 1.2 milhões de portugueses estão hoje sem médico de família, depois de um início de governação em que esse número superava os 2.1 milhões de portugueses".

"Depois de eliminados duplos registos nos centros de saúde, e outras redundâncias, podemos agora dizer que vamos reduzir esse número para metade até ao final desta legislatura, altura em que teremos cerca de 500 a 600 mil portugueses sem médico de família, o que será facilmente resolúvel durante os próximos dois anos", destacou o governante.

A Extensão de Saúde do Penhascoso, ontem inaugurada com um investimento de cerca de 40 mil euros, pertence à Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados de Mação e está inserida no Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo, prestando atendimento a 240 utentes.

Nesta unidade trabalham um médico, um enfermeiro e um assistente técnico, num horário de funcionamento às terças-feiras, das 14 às 18 horas.

Com um total de 229.765 utentes, o ACES Médio Tejo tem por missão garantir a prestação de cuidados de saúde à população de 11 concelhos: Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Tomar, Torres Novas, Sardoal e Vila Nova da Barquinha, numa área territorial de 2.706 km².

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas