Odivelas e Governo assinam protocolo para construção de centro de saúde no concelho
DATA
30/06/2015 11:20:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Odivelas e Governo assinam protocolo para construção de centro de saúde no concelho

nacional_contratos_medicos_01
A Câmara de Odivelas e a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) assinam hoje um protocolo para a construção de um centro de saúde no concelho que irá servir 41 mil utentes.

Em comunicado, a ARSLVT refere que o investimento global para a construção do novo centro de saúde, cujos prazos de conclusão ainda não estão definidos, será de 1,6 milhões de euros, dos quais 70% serão comparticipados pela tutela e os restantes 30% pela Câmara de Odivelas.

“Este acordo representa um importante passo para a melhoria dos serviços prestados aos utentes do concelho, permitindo dar resposta a cerca de 41 mil utentes, bem como recolocar o CATUS [Centro de Atendimento e Tratamentos Urgentes] num local central, com acessos”, aponta.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Câmara de Odivelas, Susana Amador (PS), congratulou-se com o facto de o concelho vir a receber mais uma unidade de saúde, ainda que para tal a autarquia tenha de pagar 30% da obra.

“Claro que preferíamos que fosse o Estado a pagar toda a obra, mas não sendo possível tínhamos de estar disponíveis para ser parte da solução. É preferível pagar parte e termos um centro de saúde do que não ter”, argumentou.

O Agrupamento de Centros de Saúde Loures/Odivelas é constituído por 12 Unidades de Saúde familiar (USF), 10 Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP), três Unidades de Cuidados na Comunidade (UCC), uma Unidade de Saúde Pública (USP) e uma Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados (URAP), totalizando 28 unidades funcionais.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas