Hospitais da região Centro criam rede de assistência para AVC
DATA
04/09/2015 11:28:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Hospitais da região Centro criam rede de assistência para AVC


A Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) anunciou ontem, dia 3 de setembro, que todos os hospitais da região têm a funcionar desde agosto um projeto que articula, em rede, as unidades de assistência aos Acidentes Vasculares Cerebral (AVC).

Segundo o presidente José Tereso, citado num comunicado da ARSC, "a articulação entre as unidades melhora a comunicação inter-hospitalar, promovendo maior eficácia e eficiência na assistência e tratamento do doente com AVC, que continua a ser a principal causa de morte em Portugal".

"O projeto, que registou uma adesão espontânea dos hospitais, e que conta com a parceria do INEM, cria uma rede de cuidados muito importante que permite, por exemplo, através da teleconsulta, fazer a avaliação do doente, a análise partilhada de exames complementares de diagnóstico e a partilha da decisão na transferência do doente para uma unidade de AVC mais diferenciada, onde é possível a terapêutica cirúrgica", explica a nota.

O presidente da ARSC considera que a rede de hospitais com unidades de AVC na região Centro é "um desafio que, com a dedicação e esforço dos profissionais envolvidos, está a avançar".

O projeto, adiantou, permite otimizar meios já existentes, exigindo pequenos investimentos a nível da teleconsulta, que serão reforçados com a distribuição de seis webcam pelos hospitais presentes.

No comunicado, a ARSC informa que na quarta-feira decorreu uma reunião que reavaliou a rede regional e que, em outubro, se volta a realizar outra sessão com o mesmo objetivo.

Lusa/Jornal Médico

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas