Quatro novos centros de saúde para 135 mil utentes em Sintra

Sinalética centro de saúde
A Câmara Municipal de Sintra anunciou ontem que vão ser construídos no concelho, até 2017, quatro novos centros de saúde, que servirão 135 mil utentes, num investimento de 6,4 milhões de euros.

Os quatro novos equipamentos de saúde vão servir as freguesias de Queluz, Algueirão Mem Martins e Agualva e Sintra, resultando a construção de três deles de um contrato-programa assinado esta tarde entre a Câmara de Sintra e a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

Os centros de saúde de Queluz, Algueirão Mem Martins e Agualva vão servir mais de 120 mil utentes e representam um custo de 5,6 milhões de euros, dos quais a autarquia financia 30% (1,68 milhões), além de ceder os terrenos.

À margem destes contratos-programa, o município irá assumir o encargo global para a construção do novo centro de Saúde da Estefânia, na União de Freguesias de Sintra, orçado em 800 mil euros e com capacidade para servir 15 mil utentes.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, congratulou-se com a conclusão do processo, sublinhando que foram quase dois anos de negociações entre a autarquia e a ARSLVT.

"É um dia muito importante e feliz. Foi um longo processo, que chegou finalmente ao fim", apontou.

O autarca referiu que a construção destes equipamentos será muito importante para aumentar a resposta de cuidados de saúde no concelho, mas também para "aliviar" as urgências do hospital Amadora-Sintra.

Relativamente aos prazos para a conclusão e entrada em funcionamento dos centros de saúde, Basílio Horta perspetivou que os quatro possam estar em plena atividade durante o primeiro semestre de 2017.

Lusa/Jornal Médico

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas