Quase 70% dos portugueses de alto risco cardiovascular têm obesidade central
DATA
29/09/2015 11:30:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Quase 70% dos portugueses de alto risco cardiovascular têm obesidade central

 Female belly with tape measure
Cerca de 70% dos portugueses de alto risco cardiovascular apresentam elevado perímetro abdominal e perto de 40% sofrem de obesidade, segundo dados de um estudo europeu ontem divulgados em Portugal.

O estudo realizado em 14 países - incluindo em Portugal, através da Sociedade de Cardiologia - foi feito no âmbito dos cuidados de saúde primários com o objetivo de avaliar as medidas de prevenção cardiovascular nos doentes considerados de alto risco.

Os resultados, agora divulgados, mostram que a obesidade central (aumento do perímetro abdominal) afeta 68% dos doentes portugueses, um valor ligeiramente acima da média europeia, que se situa nos 64%.

A nível europeu, o estudo EuroAspir IV mostrou que 80% dos doentes de risco europeus têm excesso de peso.

No conjunto de países avaliados, Portugal aparece em 10.º lugar ao nível dos doentes com obesidade (38%), estando neste caso situado abaixo da média europeia que é de 44%.

No estudo realizado entre 2014 e 2015 participaram 6.700 pessoas de 14 países europeus, 406 deles são doentes portugueses.

Além da obesidade, o estudo avaliou os níveis de atividade física dos doentes de alto risco cardiovascular, concluindo que em Portugal apenas 20% desses pacientes pratica exercício.

Relativamente ao consumo de tabaco, apenas 10% dos doentes de risco eram fumadores, colocando Portugal abaixo da média europeia de 17%.

Lusa/Jornal Médico

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas