Atividade gripal baixa, mas com tendência para aumentar
DATA
08/01/2016 14:00:53
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Atividade gripal baixa, mas com tendência para aumentar

gripe1
A atividade gripal continuou baixa, na semana de 28 de dezembro a 3 de janeiro, mas com tendência para crescer, revela o Boletim da Vigilância Epidemiológica da Gripe, ontem divulgado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

De acordo com o boletim, publicado semanalmente, às quintas-feiras, a taxa de incidência da síndrome gripal aumentou para 51,4 casos por 100.000 habitantes, o que indica "provável início do período epidémico".

Na semana anterior, de 21 a 27 de dezembro, a taxa de incidência gripal foi de 21,6 casos por 100.000 habitantes.

Segundo o boletim hoje divulgado, referente à semana de 28 de dezembro a 3 de janeiro, foram admitidos dez novos casos de gripe nas 23 unidades hospitalares de cuidados intensivos que reportaram informação.

Cerca de 70% dos pacientes tinham doença crónica subjacente, "considerada de risco para a evolução do quadro de gripe", com a maioria, 80%, a rondar uma idade entre os 15 e os 64 anos.

A taxa estimada de admissão por gripe nas unidades de cuidados intensivos é de 4,4%, a mais alta desde o início da época gripal, tendo sido identificado o vírus A em todos os doentes.

O relatório adianta que a mortalidade observada "por todas as causas" tem valores "de acordo com o esperado".

A época gripal 2015-2016 começou em outubro e termina em maio.

Lusa/Jornal Médico

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas