Portugal é país da Europa com maior taxa de cuidadores informais a pessoas dependentes
DATA
18/01/2016 14:00:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Portugal é país da Europa com maior taxa de cuidadores informais a pessoas dependentes

Nacional_Lei_Bases_Cuidados_Paliativos
Portugal tem a maior taxa de cuidados continuados e paliativos prestados por pessoas sem preparação nem qualificação para tal e uma das mais baixas taxas de cobertura de cuidados prestados por profissionais em toda a Europa, revela um estudo.

Desenvolvido pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), o Estudo “Acesso, qualidade e concorrência nos Cuidados Continuados e Paliativos” indica ainda que Portugal é o país com menor taxa de prestação de cuidados não domiciliários.

“Portugal tem a maior taxa de cuidados domiciliários informais da Europa, a menor taxa de prestação de cuidados não domiciliários e uma das menores taxas de cobertura de cuidados formais, principalmente em função da escassez de trabalhadores formais, escassez que, segundo o International Labour Office, configura uma limitação ao acesso a cuidados continuados de qualidade”, indica a ERS.

Os cuidados informais são prestados por alguém que reside com o doente em situação de dependência, normalmente um familiar ou uma pessoa amiga, que faz esse trabalho por altruísmo, sem remuneração.

A ERS sublinha que, apesar de as estruturas de sistemas de cobertura universal de cuidados continuados terem começado a ser promovidas em alguns países europeus, desde os anos de 1940, em meados dos anos 90 a infraestrutura de cuidados continuados em Portugal ainda era escassa, com a maior parte dos cuidados a serem domiciliários e informais, prestados por um residente na mesma habitação.

O estudo indica ainda que a despesa pública em percentagem do PIB relativa aos cuidados continuados em Portugal encontra-se abaixo da média dos países europeus.

No entanto, as despesas públicas nesses cuidados têm vindo a crescer a uma taxa superior à das despesas públicas totais em saúde, acrescenta o regulador.

Por outro lado, “tendo em consideração um conjunto de países da OCDE [Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico], Portugal é o país com a maior parcela de financiamento 'out-of-pocket' [gastos suportados diretamente pelos utentes do serviço de saúde nos casos em que nem o serviço público nem o seguro privado cobrem a totalidade] de cuidados continuados (45%), sendo certo que a maior parte do financiamento total resulta de contribuições da segurança social (51%)".

Das projeções realizadas acerca da evolução da população idosa, tanto para Portugal como para os 28 Estados-membros da União Europeia (UE28), perspetiva-se que a procura por cuidados continuados e paliativos aumente nos próximos anos em todos os países europeus, mas especialmente em Portugal, na medida em que tal população idosa em Portugal deverá crescer a uma taxa mais elevada do que a do total da UE28, devendo a proporção de idosos chegar perto de 25%, até 2025 em Portugal.

Ainda de acordo com a ERS, o envelhecimento da população deverá traduzir-se num aumento da procura de cuidados continuados, ao passo que a procura de cuidados paliativos deverá continuar a crescer, tanto em função do envelhecimento da população como devido ao projetado aumento de incidência de neoplasias malignas.

Lusa

 

Por favor faça login ou registe-se para aceder a este conteúdo

Sejam Felizes
Editorial | António Luz Pereira, vice-presidente da APMGF
Sejam Felizes

O início de cada ano é também o início do percurso de milhares de novos médicos. A todos, mas especialmente aqueles que como nós escolheram como futuro ser Médico de Família, queremos receber-vos com um desejo e um desafio. Que sejam felizes e façam com que aqueles que se cruzam convosco sejam felizes. Desejamos profundamente que este internato de formação específica em MGF seja um caminho de felicidade. Que se sintam totalmente realizados por terem escolhido a melhor especialidade do mundo. Que sejam felizes no internato, para que possam ser ainda mais felizes fora dele.

Mais lidas