Com aquisição da IOmet MSD expande programa de desenvolvimento de imuno-oncologia
DATA
14/01/2016 10:00:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Com aquisição da IOmet MSD expande programa de desenvolvimento de imuno-oncologia

MSD
A MSD adquiriu a IOmet, empresa especializada no desenvolvimento de terapêuticas inovadoras para o tratamento do cancro, com ênfase particular na imuno-terapia e metabolismo do cancro. As terapêuticas imuno-oncológicas potenciam os mecanismos naturais de defesa do sistema imunitário de modo a aumentar a sua capacidade de luta contra o cancro.

Com esta compra, a MSD passa a ter acesso a todo o portfolio da IOmet que inclui terapêuticas inovadoras baseadas na inibição do metabolismo do triptofano. “A aquisição da IOmet é mais um exemplo do compromisso da MSD em realizar o potencial desta área de rápida evolução através do nosso portfólio de inovação já existente e da aquisição de candidatos promissores na área da imuno-terapia”, garante o vice-presidente e diretor da área terapêutica de oncologia de fase inicial dos laboratórios de investigação Merck Sharp & Dohme, Dr. Eric Rubin. Acrescenta ainda que “ao potenciar o poder do sistema imunitário, vemos já grandes avanços no tratamento do cancro”.

Uma opinião partilhada pela Dra. Mafalda Nogueira, médica responsável pela área da Oncologia na MSD Portugal, que defende que “esta aquisição traduz o investimento significativo que a MSD tem feito e continuará a fazer em Oncologia”.

“A liderança da MSD em imuno-oncologia e competência em desenvolvimento farmacêutico, ligada agora ao potencial dos nossos programas IDO1 e TDO gera oportunidades significativas para avançar o tratamento do cancro” diz o Dr. Alan Wise, CEO da IOmet. “Hoje estamos ansiosos para nos juntarmos à MSD e sentimos que esta aquisição realça o compromisso partilhado que temos para acelerar os nossos programas de modo a trazer soluções a quem mais precisa.”

Imuno-oncologia: inibição de IDO1 e TDO

IDO1 e TDO, enzimas limitantes na via metabólica do aminoácido essencial triptofano, têm surgido como um dos principais alvos da indústria farmacêutica no campo da imunoterapia oncológica.

A sobrexpressão destas enzimas tem sido detetada em diversos tipos de cancro - incluindo glioma, melanoma, cancro do pulmão, cancro do ovário e cancro colo-rectal - e associada a maus prognóstico negativo e sobrevivência.

A sobrexpressão de IDO1 e TDO leva ao esgotamento de triptofano e altos níveis do subproduto quinurenina. Este rácio de quinurenina/triptofano (K/T) elevado suprime a resposta imunitária ao cancro, facilitando assim a progressão tumoral e metastização.

Existe extensa evidência pré-clínica alguns e dados clínicos emergentes que indicam que a inibição de IDO1 e/ou de TDO possa criar sinergia com (e ultrapassar a resistência a) terapêuticas oncológicas estabelecidas, em particular a outros tratamentos baseados em imuno-terapia.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: