Pimenta Marinho é o novo presidente do Conselho Diretivo da ARS Norte
DATA
05/02/2016 10:26:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Pimenta Marinho é o novo presidente do Conselho Diretivo da ARS Norte

ARS_Norte

O médico Pimenta Marinho é desde ontem o novo presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte depois de o lugar ter sido deixado vago por Álvaro Almeida, que pediu a demissão do cargo em janeiro.

“Designo, em regime de substituição, para exercer o cargo de presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Norte, IP, o licenciado António José da Silva Pimenta Marinho, cujo currículo académico e profissional (…) evidencia a competência técnica, aptidão, experiência profissional e formação adequadas ao exercício das respetivas funções”, pode ler-se num despacho publicado em Diário da República de dia 2 mas que “produz efeitos a 4 de fevereiro”.

No despacho, assinado pelo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes, a nomeação de um novo presidente do Conselho Diretivo é justificada “considerando a vacatura do cargo” na sequência “de cessação do mandato a pedido do anterior titular” Álvaro Almeida.

A 20 de janeiro, o ministro assumiu ter recebido o pedido de renúncia de Álvaro Almeida que, após procedimento concursal, havia sido designado pelo anterior ministro da Saúde Paulo de Macedo para exercer o cargo durante cinco anos.

Pimenta Marinho, que foi vice-presidente do conselho diretivo da ARS Norte entre dezembro de 2010 e outubro de 2011, altura em que o atual secretário de Estado da Saúde era o presidente, irá agora assumir o cargo em regime de substituição.

Esta nomeação, confirmada pela ARS Norte, visa assegurar o “normal funcionamento do respetivo Conselho Diretivo até à conclusão do procedimento concursal aplicável, a realizar pela Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública”.

 Lusa/Jornal Médico

Um ano depois…
Editorial | Susete Simões
Um ano depois…

Corria o ano de 2020. A Primavera estava a desabrochar e os dias mais quentes e longos convidavam a passeios nos jardins e nos parques, a convívios e desportos ao ar livre. Mas quando ela, de facto, chegou, a vida estava em suspenso e tudo o que era básico e que tínhamos como garantido, tinha fugido. Vimos a Primavera através de vidros, os amigos e familiares pelos ecrãs. As ruas desertas, as mensagens nas varandas, as escolas e parques infantis silenciosos. Faz agora um ano.

Mais lidas