Alunos de Medicina do Porto realizam rastreios gratuitos para hipertensão
DATA
01/04/2016 13:15:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Alunos de Medicina do Porto realizam rastreios gratuitos para hipertensão

tensao_arterial
Mais de uma centena de estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) estão a rastrear doenças como a hipertensão arterial numa ação iniciada na última 2.ª feira no Hospital de São João, no Porto.

A iniciativa decorre no âmbito da Semana da Saúde e Bem-estar, promovida pela Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (AEFMUP) para celebrar o Dia Mundial da Saúde, que se assinala no dia 07 de abril.

O objetivo é alertar “as pessoas para terem atenção para medirem regularmente os valores de tensão arterial”, explicou Carolina Valente, membro da associação de estudantes e estudante do 3.º ano de Medicina.

É, também, uma oportunidade de formação dos futuros médicos, “para que possam estar a fazer rastreios e interagir diretamente com a comunidade”, acrescentou a aluna, salientando que esta é uma iniciativa “feita há alguns anos”.

Muitas das pessoas aproveitam a ida ao Hospital de São João para participarem neste controlo dos seus valores de tensão arterial.

“Venho aqui acompanhar a minha esposa, que teve um acidente vascular cerebral (AVC), e aproveitei”, afirmou Manuel Campos, residente na Maia.

Ana Paula Ferreira, de 53 anos, classificou a iniciativa como sendo “uma ótima ideia”, afirmando que ficou mais descansada depois de fazer o rastreio, porque passou “esta noite um bocadinho mal”.

“Muitas pessoas não têm tempo para serem controladas (...) e eu acho muito bom estar aqui. Não devia ser sempre nos hospitais, devia ser também em postos médicos ou centros comerciais, que é onde as pessoas vão”, acrescentou.

De acordo com Luís Pimentel, um dos estudantes de Medicina que se encontra a fazer o rastreio, a escolha desta doença está relacionada com o seu fator de “risco”, muito presente “sobretudo na sociedade ocidental”, alertando para a importância de “fazer esse controlo”.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas