Bebé que nasceu com mãe em morte cerebral vai deixar cuidados intensivos
DATA
14/06/2016 11:38:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Bebé que nasceu com mãe em morte cerebral vai deixar cuidados intensivos

RecemNascido

O bebé que nasceu com a mãe em morte cerebral já está a ser alimentado exclusivamente com leite humano e vai deixar os cuidados intensivos, anunciou ontem o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

Lourenço, que nasceu no passado dia 07 de junho no Hospital de São José com a mãe em morte cerebral há 15 semanas, “está clinicamente estável e a sua evolução prossegue favoravelmente”, não necessitando já de cuidados intensivos, adianta o CHLC em comunicado.

Segundo o comunicado, o bebé encontra-se “transferível para os Cuidados Intermédios da Unidade de Neonatologia”.

Informa ainda que o bebé está está a alimentar-se sem necessidade de soro.

Num comunicado divulgado no domingo, o centro hospitalar informava que o bebé estava com 2,210 kg, tendo aumentado 50 gramas relativamente ao dia anterior.

O nascimento do bebé no Hospital de São José é um facto inédito na Medicina portuguesa, tendo a presidente do Centro Hospitalar de Lisboa Central, Ana Escoval, afirmado no dia a seguir ao nascimento que o Hospital de São José viveu e testemunhou um “facto inédito”.

As equipas de Obstetrícia e da Unidade de Neurocríticos do Centro Hospitalar de Lisboa Central realizaram uma cesariana programada à mulher, que estava em morte cerebral desde 20 de fevereiro.

O bebé nasceu com 2,350 kg, após uma gestação de 32 semanas, sem complicações durante e após o ato cirúrgico.

A morte cerebral da mãe, de 37 anos, foi declarada na sequência de uma hemorragia intracerebral.

A Comissão de Ética e Direção Clínica do Centro Hospitalar de Lisboa Central deu o seu parecer e, em conjunto com a decisão da família da mãe e da família paterna da criança, acordaram manter a gravidez até às 32 semanas de maneira a garantir a viabilidade do feto.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.