Odivelas: centro de saúde deverá estar concluído em 2017
DATA
09/09/2016 12:50:29
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Odivelas: centro de saúde deverá estar concluído em 2017

sinaletica-centro de saúde

O Presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Hugo Martins, afirmou que o novo centro de saúde daquela cidade deverá estar concluído no final de 2017 e destina-se a servir um total de 41 mil utentes. Recorde-se que esta obra orçada em 1,1 milhões de euros.

As declarações do autarca à Agência Lusa surgem momentos antes de o município assinar um contrato-programa com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) com vista à construção de uma nova unidade de saúde na cidade.

"Está a escrever-se uma nova página na história do concelho. Esta era uma das obras mais necessárias e prementes", apontou Hugo Martins.

O centro de saúde de Odivelas – um equipamento novo na cidade, uma vez só havia um Centro de Atendimento e Tratamentos Urgentes (CATUS) - será comparticipado em 70% pela ARSLVT e os restantes 30% ficarão a cargo da autarquia. A Câmara de Odivelas ficará igualmente responsável pela elaboração dos projetos, pela cedência do terreno e pelos arranjos exteriores.

O autarca perspetivou que o novo equipamento possa estar concluído até final de 2017 tendo em conta todos os procedimentos administrativos que antecedem o arranque da obra.

Por seu turno, também em declarações à Agência Lusa, o porta-voz da Comissão de Utentes dos Transportes Públicos e Saúde de Odivelas, Manuel André, manifestou-se otimista em relação à conclusão deste processo.

"Desde 2001 que esta situação é falada e já houve várias promessas desde aí. No entanto, estamos confiantes de que desta vez é mesmo para valer", sublinhou.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas