Acesso à saúde melhorou desde 2000 apesar de retrocessos
DATA
22/09/2016 11:05:44
AUTOR
Jornal Médico
Acesso à saúde melhorou desde 2000 apesar de retrocessos

enfermeira_shutterstock_140404582-712x475

Um estudo publicado na revista The Lancet, apresentado num evento das Nações Unidas, em Nova Iorque, dá conta de progressos na saúde desde 2000, nomeadamente na mortalidade infantil e neonatal ou no acesso aos cuidados de saúde, mas alguns indicadores até pioraram, como a obesidade infantil, a violência doméstica ou o alcoolismo.

Trata-se da primeira análise que avalia o desempenho dos países nas metas relativas à Saúde inscritas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Definidos em 2015 para suceder aos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, que expiraram nesse mesmo ano, os ODS são 17 objetivos universais, 169 metas, e 230 indicadores que visam abordar problemas globais como a segurança alimentar, a pobreza, o acesso à água ou as alterações climáticas e que têm como prazo o ano 2030.

A saúde é um setor central nos ODS: o terceiro objetivo é “garantir vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos, em todas as idades” e há indicadores relacionados com a saúde em 11 dos outros 16 objetivos.

Na sua investigação, os cientistas liderados por Stephen Lim, do Instituto para a Métrica e a Avaliação da Saúde na Universidade de Washington, em Seattle (EUA), usaram dados do estudo sobre o Peso Global da Doença para avaliarem o desempenho de 188 países em 33 dos 47 indicadores relativos à saúde nos ODS, classificando-os num índice que vai de zero (o pior) a 100 (o melhor).

Nas suas conclusões, os autores escreveram que se verificam progressos nos indicadores que já estavam abrangidos pelos ODM, mas não tanto nos indicadores que vão além dos ODM, alguns dos quais até pioraram - como o excesso de peso na infância, a violência doméstica ou o consumo excessivo de álcool.

Contudo, os progressos a nível mundial variam muito consoante os indicadores.

Embora 60% dos países já tenham alcançado algumas destas metas para 2030 - redução da mortalidade materna (menos de 70 mortes em cada 100 mil nados vivos) e infantil (25 mortes em cada mil nados vivos), - nenhum país alcançou qualquer das nove metas para a eliminação total de doenças como a tuberculose e o VIH.

O frágil progresso no combate a estas duas doenças nos últimos 25 anos leva mesmo os autores a considerar irrealista o objetivo de eliminá-las nos próximos 25 anos.

O estudo permite ainda concluir que menos de um quinto dos países conseguiu eliminar o baixo peso e baixa estatura nas crianças com menos de cinco anos ou alcançar o acesso universal a fontes seguras e económicas de água e saneamento.

Os investigadores compararam os desempenhos em saúde com um índice sociodemográfico (ISD) que criaram para medir o nível de desenvolvimento dos países, baseado no rendimento ‘per capita’, sucesso escolar e taxa de fertilidade.

Esta comparação permitiu concluir que alguns países, como Timor-Leste, o Tadjiquistão, Taiwan ou a Islândia registaram melhorias maiores do que o esperado para o seu desenvolvimento, enquanto outros, incluindo a Líbia e a Síria, tiveram desempenhos piores na saúde do que o seu nível de desenvolvimento faria supor.

Embora o ISD fosse fortemente condicionante do desempenho na maioria dos indicadores de saúde, não tinha o mesmo impacto em fatores também contabilizados, como a violência interpessoal, a automutilação, a poluição, a poluição atmosférica ou a obesidade infantil.

Os autores concluíram por isso que investir no aumento do rendimento ‘per capita’, na educação e no planeamento familiar não será suficiente para alcançar as metas dos ODS em 2030.

"O nosso estudo é um ponto de partida para mais investigação sobre como e por que motivo os países estão a ter desempenhos melhores ou piores do que a média. Será um esforço anual para garantir que o progresso se mantém e que as lições dos casos de sucesso são rapidamente apreendidas e transferidas para outros países onde o progresso é menos impressionante", afirmou Stephen Lim, citado pela Lancet.

Neste índice, a Islândia, Singapura e a Suécia são os mais bem classificados (todos têm 85 pontos), enquanto no extremo oposto surgem a República Centro-Africana (20 pontos), a Somália e o Sudão do Sul (ambos com 22 pontos).

Com 78 pontos, Portugal surge na 22.ª posição, pressionada pelos maus resultados em indicadores como o VIH ou o excesso de peso.

Portugal surge acima de países como França (24.º), Grécia (26.º) ou os EUA (28.º), mas abaixo de Espanha (7.º), Irlanda (13.º) ou Itália (20.º).

Entre os outros países lusófonos, o Brasil reúne 60 pontos e fica na 90.ª posição, com a violência como o pior indicador; Timor-Leste e Cabo Verde, no 122.º e 123.º lugares, respetivamente, têm ambos 53 pontos.

Timor-Leste tem a malária como o pior indicador, enquanto em Cabo Verde são a água e a higiene os indicadores com piores resultados.

A Guiné Equatorial tem 36 pontos e está na 157.ª posição, enquanto Angola está na 170.ª, com 32 valores, sendo ambos os países prejudicados pelos indicadores malária, água e higiene.

A Guiné-Bissau e Moçambique (176.º e 177.º lugares, respetivamente, têm ambos 29 pontos, sendo os indicadores mais preocupantes o acesso à água, higiene e a poluição do ar interior).

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.