Displaying items by tag: HIV

Laço

Um em cada cinco portugueses inquiridos num estudo para avaliar o conhecimento da população sobre o VIH/Sida consideram que esta infecção se transmite pelo beijo e que atinge sobretudo os homossexuais.

Trinta anos após o primeiro caso de sida em Portugal, o estudo “VIH: 30 Anos, 30 Mitos”, encomendado por um laboratório e realizado por uma empresa de estudos de mercado, revelou que 22 por cento dos inquiridos considera que esta infecção se pode transmitir pelo beijo, o que não é verdade. Essa percentagem sobe para 35 por cento na população com 65 ou mais anos.

O estudo contou com as respostas de 600 pessoas, inquiridas no final do ano passado, das quais 37 por cento considera que “estar infectado com VIH é o mesmo que um diagnóstico de morte prematura”.

Um quinto dos inquiridos acredita que a infecção pelo VIH/Sida pode transmitir-se em piscinas, casas de banho e transportes, o que é falso. Igualmente errada é a ideia de 50 por cento dos inquiridos, para quem “ser picado por um insecto que picou uma pessoa infectada é uma forma de transmissão”.

Outras ideias erradas apontadas pelos inquiridos referem-se ao teste do VIH: 12 por cento pensa que uma empresa pode obrigar os seus funcionários a fazerem este teste, enquanto 51 por cento acredita que uma empresa pode fazer o teste aos seus funcionários sem eles saberem.

Ao nível do tratamento, 66 por cento considera que “o tratamento da infecção pelo VIH/Sida tem muitas contra-indicações e muitos efeitos adversos”, embora “desde o desenvolvimento da terapêutica antiretrovírica combinada que têm vindo a ser desenvolvidos regimes terapêuticos mais efectivos, simples e com melhor perfil de tolerabilidade”.

Sobre as atitudes face ao VIH/Sida, o estudo indica que 70 por cento contaria aos seus amigos se estivesse infectado pelo vírus e que 89 por cento não se importa de cumprimentar uma pessoa infectada pelo VIH. Menos de metade (35 por cento) afirmou não se importar de ter uma relação afectiva com uma pessoa infectada pelo VIH.

O estudo “VIH: 30 Anos, 30 Mitos” vai ser apresentado hoje, numa conferência que decorre no auditório do Diário de Notícias.

Published in Mundo
Tagged under

bebé1Uma bebé nascida com o vírus da sida mantém-se sem sinais da infecção 11 meses depois de ter sido submetida a tratamentos com anti-retrovirais. Nascida nos subúrbios de Los Angeles, nos Estados Unidos da América (EUA), em Abril do ano passado, a menina recebeu tratamentos com anti-retrovirais quatro horas depois de ter nascido.

Quase um ano depois, não tem sinais da infecção e os médicos estão optimistas, apesar de não afastarem a possibilidade de o VIH voltar ou estar oculto nos tecidos.

Trata-se do segundo caso de potencial cura, depois de no ano passado ter sido anunciado que um bebé norte-americano após ter recebido tratamentos nas primeiras horas de vida não apresentava sinais da presença do vírus. Agora com três anos, a menina parece estar livre do VIH.

O caso mais recente, hoje apresentado durante uma conferência científica em Boston, é recebido pelos médicos com optimismo, sobretudo pela rapidez do desaparecimento do vírus.

“O que é mais notável em relação a este bebé é a rapidez com que o vírus desapareceu, os testes de ADN estavam negativos quando tinha seis dias e continuaram negativos despois”, afirmou Yvonne Bryson, professora de pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia, citado pela agência France Presse.

 

Published in Mundo
Tagged under
terça-feira, 21 janeiro 2014 16:36

ViiV: Tivicay (dolutegravir) aprovado na Europa

tivicay

A ViiV Healthcare, empresa constituída em 2009 pela GlaxoSmithKline e pela Pfizer para o desenvolvimento de medicamento indicados no tratamento da infecção por VIH, anunciou hoje que a Comissão Europeia (CE) aprovou o seu novo inibidor da integrase Tivicay (dolutegravir), para administração em combinação com outros anti-retrovirais no tratamento da infecção por VIH em adultos e adolescentes com mais de 12 anos de idade.

O programa de desenvolvimento clínico do Tivicay foi muito abrangente, tendo incluído doentes não submetidos a tratamento prévio com anti-retrovirais, doentes com historial de tratamento com anti-retrovirais e ainda doentes cuja estirpe viral havia desenvolvido resistência a inibidores da integrase disponíveis no mercado.

A aprovação hoje anunciada, tem como suporte os resultados de quatro ensaios clínicos de fase III nos quais 2,557 adultos foram submetidos a tratamento com Tivicay ou com um comparador. O pedido de aprovação agora aceite pela União Europeia incluiu ainda resultados de um quinto ensaio clínico que avaliou o impacto do tratamento com Tivicay em crianças com 12 ou mais anos de idade.

“A aprovação, hoje, do Tivicay constitui um passo importante, que abre portas a novas combinações terapêuticas para pessoas que vivem com o VIH na Europa. O programa de desenvolvimento do Tivicay só foi possível graças à adesão dos doentes infectados com o VIH e dos profissionais de saúde que nele participaram e desejamos, também com eles, ir mais além movidos no compromisso de encontrar uma resposta global para o VIH/SIDA”, afirmou Dominique Limet, CEO da ViiV Healthcare.

.

Published in Mundo
Pág. 4 de 4
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.