Displaying items by tag: Medicina Interna

quarta-feira, 12 agosto 2015 15:00

Concurso para recrutar 42 médicos nos Açores


O Governo dos Açores anunciou hoje a abertura de um concurso para recrutar 42 médicos, de várias especialidades, para os três hospitais e oito unidades de saúde no arquipélago, por ser “premente fazer face ao crescente número de aposentados”.

A autorização para abertura dos procedimentos de recrutamento no âmbito das entidades públicas empresariais no setor da Saúde foi hoje publicada no Jornal Oficial da Região Autónoma dos Açores e há agora um prazo de três meses para se realizar.

O executivo açoriano adiantou que a abertura das 42 vagas resultou do levantamento das necessidades efetuado junto dos serviços de saúde. Onze vagas destinam-se à categoria de medicina geral e familiar nas Unidades de Saúde de ilha de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Faial, Pico, Corvo, São Jorge e Flores.

Quanto aos três hospitais açorianos, distribuídos pelas ilhas de São Miguel, Terceira e Faial, pretende-se recrutar especialistas de Ortopedia (três), Cardiologia (dois), Cirurgia Geral (dois), Medicina Interna (dois), Anestesiologia (dois), Nefrologia (dois), Patologia Clínica (dois), Pediatria (dois), Psiquiatria (dois), Radiologia (dois), Pneumologia (um), Infecto-contagiosas (um), Medicina Intensiva (um), Urologia (um), Otorrinolaringologia (um), Gastrenterologia (um), Estomatologia (um) e Cirurgia Vascular (um)

Sem prejuízo das restrições em vigor no país, o Governo dos Açores argumenta que “não se pode descurar que o número de médicos na categoria de assistente graduado sénior”, por ser “fundamental no âmbito do internato médico, para efeitos de reconhecimento da idoneidade formativa dos serviços e estabelecimentos”.

Para além disso, faz notar que a existência de um maior ou menor número de médicos detentores desta categoria “influencia decisivamente” o funcionamento dos serviços integrados no Serviço Regional de Saúde.

Published in Mundo
quarta-feira, 17 junho 2015 19:43

Porto Liver Meeting

calendário

Data: 23 de Junho

Local: Mosteiro de São Bento da Vitória

Dedicada ao tema "Acute on Chronic Liver Failure – Monothematic Conference" decorre, a 23 de Junho, a segunda edição do Porto Liver Meeting, dirigida pela Prof.ª Doutora Helena Pessegueiro Miranda e pelo Prof. Richard Moreau.

Esta é uma iniciativa da Associação dos Cuidados Intermédios Médicos (ACIM) com a Unidade de Transplante Hepato-Pancreática do Centro Hospitalar do Porto (UTHP) e a Associação de Cuidados Intensivos (ASCI).


A conferência monotemática, que terá lugar no Mosteiro de São Bento da Vitória, agrega o interesse de várias especialidades como a Medicina Interna, a Gastrenterologia, Hepatologia, Cuidados Intensivos e Intermédios, entre outros. O encontro científico prevê a participação de 8 palestrantes nacionais e 13 internacionais.

O programa científico pode ser descarregado aqui.

Mais informações no website do evento.

Contactos:
ACIM
Centro Hospitalar do Porto
Lg. Prof. Abel Salazar, s/n
4099-001 Porto
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Published in Agenda (expirada)
quarta-feira, 20 maio 2015 16:00

XXI Congresso Nacional de Medicina Interna

calendário

DATA: 29 de Maio

LOCAL: Hotel Tivoli Marina, Vilamoura

O Tivoli Marina Vilamoura vai receber a 21ª edição do Congresso Nacional de Medicina Interna, nos dias 29 e 31 de Maio. A reunião magna da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, presidida pelo Dr. Luís Campos, é dedicada ao tema "Os Elos da Medicina Interna".

A 27 e 28 de Maio decorrem os cursos pré-congresso.

Consulte aqui o programa preliminar.

Mais informações no website do evento.

Secretariado:
Admedic
Calçada de Arroios, 16 C - Sala 3 - 1000-027 Lisboa
T: +351 21 842 91 10
F: +351 21 842 97 19
E: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
W: www.admedic.pt

Published in Agenda (expirada)
Tagged under
quinta-feira, 04 dezembro 2014 12:52

II Encontro de Medicina Interna do CHVNGE

calendário

DATA: 5 de Dezembro

LOCAL: Sandim - Gaia

Saiba mais aqui

 

Published in Agenda (expirada)
Tagged under
segunda-feira, 01 dezembro 2014 15:21

Falta de clínicos de Medicina Interna em Vila Real

HospitalVilaReal

O director demissionário do serviço de Medicina Interna do centro hospitalar de Vila Real reivindicou hoje pelo menos “mais três especialistas” para reforçar este serviço, onde diz que os médicos possuem uma “carga excessiva de horas extraordinárias”.

“Estamos apreensivos uma vez que, com essa carga de horas excessiva na urgência, começa a comprometer-se o trabalho normal no internamento e na consulta externa do Serviço de Medicina”, afirmou aos jornalistas Trigo Faria, director deste serviço.

O médico trabalha no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), que inclui os hospitais de Vila Real, Chaves e Lamego.

Há cerca de um mês apresentou a sua demissão do cargo de director porque não estavam reunidas as condições que considerou “imprescindíveis” para continuar a fazer “o trabalho e dar a assistência que é devida às populações”.

Até este momento, Trigo Faria mantêm-se em funções porque ainda não foi substituído. Contactada pela Lusa, fonte da administração do CHTMAD disse que esta questão vai ser “resolvida dentro de dias”.

Desde Março até ao Verão saíram deste serviço três especialistas de medicina interna, o que fez baixar para 26 os médicos que trabalham em Vila Real (14), Chaves (9) e Lamego (3).

Por isso mesmo, Trigo Faria reivindica agora pelo menos a substituição desses clínicos.

“Mais três médicos seriam o número mínimo para nós conseguirmos fazer a escala com uma carga de trabalho aceitável e sustentável”, salientou.

O especialista disse esperar que o “bom senso prevaleça e que rapidamente se encontrem soluções” que devem passar “por um reforço dos recursos humanos, não só pela contratação de médicos para o quadro do serviço como eventualmente o recurso a médicos tarefeiros".

O Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos (CRNOM) juntou-se a este alerta e, em comunicado, referiu que “após várias tentativas para acordar soluções que minimizem a falta de médicos de Medicina Interna” se viu “forçado” a “denunciar a situação que se vive no centro hospitalar.

Estes especialistas, segundo a Ordem, “acumulam dias de urgências e horas extraordinárias para lá do admissível”.

Segundo o CRNOM, “um médico de Medicina Interna trabalha em média 60/70 horas por semana e realiza 80/100 horas extraordinárias por mês”.

Uma situação que levou os especialistas que asseguram as urgências a quererem reduzir o número de horas extra para apenas 12 horas por semana.

Um estudo divulgado em 2011 pelo Ministério da Saúde apontava que este serviço deveria ser constituído “por 55 a 57 médicos”.

Actualmente, segundo a Ordem, “este serviço apresenta um défice estimado de cerca de 18 médicos especialistas em Medicina Interna dada a sua área de influência de cerca de 270 mil habitantes e uma elevada prevalência de população idosa, estimando-se que 42% das pessoas tenham idades acima dos 50 anos”.

Por sua vez, o CHTMAD garantiu que, na unidade hospitalar de Vila Real, “existem médicos suficientes para assegurarem os serviços de urgência” e que, relativamente aos hospitais de Lamego e Chaves, “foram providenciadas medidas para colmatar as falhas existentes nestas unidades com a mobilidade e esforço de todos os médicos”. Devido ao “excesso de médicos a tirarem férias em Dezembro”, o conselho de administração salientou ainda que “foi necessário proceder ao cancelamento das mesmas por forma a assegurar os serviços e a qualidade assistencial a que o utente tem direito”.

Published in Mundo

Conselho Popular
A Câmara de Macedo de Cavaleiros regozijou-se hoje com o restabelecimento da Medicina Interna na urgência do hospital local.

O Serviço de Urgência Básica (SUB) voltou a contar hoje com esta especialidade, que tinha sido suspensa no início de Julho, motivando o protesto da autarquia local.

O município liderado pelo social-democrata Duarte Moreno “regista com muito regozijo a reversão da medida”, que “representa o restabelecimento da normalidade na urgência de Macedo de Cavaleiros, garantindo, sem custos adicionais, a manutenção de cuidados de saúde de qualidade e proximidade a um número considerável de pessoas no distrito” de Bragança.

Numa nota enviada às redacções, a autarquia dá conta de que “durante o mês de Julho, período em que a escala de urgência ficou privada dos médicos da especialidade, foram muitos os prejuízos causados à população, com uma diminuição clara na qualidade e segurança dos cuidados de saúde”.

A informação adianta, ainda, que o presidente da Câmara transmitiu hoje ao presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE) que acredita “que a disponibilidade manifestada pelos profissionais do Serviço de Medicina Interna do Hospital de Macedo de Cavaleiros – justificação oficialmente dada pela administração hospitalar aquando do anúncio da reversão – seria a mesma caso tivessem sido consultados antecipadamente”.

Para Duarte Moreno, este caso “veio provar que a Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros não pode ser excluída quando se pensa na estratégia da Saúde no âmbito da ULSNE”, a entidade que gere os hospitais e centros de saúde na região.

“Como sempre afirmámos, estamos disponíveis para, juntamente com a ULSNE, colaborar e participar nas decisões que visem uma melhor prestação dos cuidados de saúde às nossas populações”, enfatizou.

O autarca reforçou, ainda, “a confiança na ULSNE, tendo em vista a resolução da falta de um profissional responsável pela Unidade de Oncologia em Macedo de Cavaleiros”, depois da saída da região da única oncologista.

O município aproveita a ocasião para pedir à ULSNE que, face à centralidade da Unidade Hospitalar de Macedo de Cavaleiros e a uma previsível melhoria na prestação dos cuidados de saúde às populações do distrito, considere o reforço e reorganização de outros serviços.

O município reclama concretamente a disponibilização de análises clínicas 24 horas por dia na urgência, evitando deslocações dos doentes a Bragança e Mirandela, a referenciação dos utentes do SUB de Mogadouro para a Medicina Interna de Macedo de Cavaleiros e a concentração em Macedo de Cavaleiros dos cuidados de saúde na área da ortopedia, tendo em conta a certificação de excelência dos Serviços desta especialidade e AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Published in Mundo

Conselho Popular

A Câmara de Macedo de Cavaleiros anunciou hoje que a urgência do hospital local vai voltar a ter o apoio da Medicina Interna a partir de dia um de Agosto.

A autarquia liderada pelo social-democrata Duarte Moreno divulgou hoje, em comunicado, que a garantia foi dada na quarta-feira pelo presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE).

No início do mês, a Câmara de Macedo de Cavaleiros acusou os responsáveis pela saúde no Nordeste Transmontano de estarem a esvaziar o hospital local ao acabarem com a Medicina Interna na urgência desde o dia um de Julho.

No comunicado hoje divulgado, o autarca mostra-se “muito satisfeito por todos os esforços” levados a cabo “resultarem na reposição da normalidade” da urgência local.

“O presidente da ULSNE conseguiu, de facto, entender que a medida assumida no início deste mês não era a melhor nas diversas vertentes da gestão dos cuidados de saúde no distrito”, sublinha Duarte Moreno.

O autarca afirma ainda que o responsável da ULSNE “foi mal aconselhado” e espera que “daqui para a frente a ULS perceba que a unidade hospitalar de Macedo de Cavaleiros é essencial para uma estratégia que tenha como grande objectivo servir as populações”.

Published in Mundo
Pág. 3 de 3
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.