medicos
O presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, defendeu hoje que são necessários mais clínicos cubanos no concelho para responder aos “mais de 20% da população que ainda não dispõe de médico de família”.

“Continuamos com mais de 20% de pessoas sem médico de família, no concelho e no litoral alentejano. No caso de Santiago do Cacém, já tivemos quatro médicos cubanos, mas agora só temos três”, pelo que “precisamos de mais médicos”, argumentou o autarca.

Álvaro Beijinha falava hoje à agência Lusa a propósito de uma visita da embaixadora de Cuba em Portugal, Johana de la Torre, ao Hospital do Litoral Alentejano, situado no concelho de Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal.

Segundo o autarca, na reunião com a embaixadora, os municípios do litoral alentejano, onde se encontram, atualmente, “12 médicos cubanos”, realçaram a necessidade de poderem contar com mais clínicos.

“A embaixadora manifestou a total disponibilidade de Cuba para reforçar o contingente” de clínicos na região, informando ainda que o acordo com o Estado português “prevê a possibilidade de chegar aos 100 médicos”.

Atualmente, “só estão 62 médicos cubanos em Portugal, sobretudo no Alentejo e no Algarve. Por isso, há aqui uma margem que possibilita poderem vir mais cerca de 40 médicos”, realçou o presidente da Câmara de Santiago do Cacém.

“Esta disponibilidade de Cuba para reforçar o contingente de médicos já foi colocada ao agora ministro da Saúde [Fernando Leal da Costa], mas o processo está um pouco parado, tendo em conta o impasse governativo que o país vive”, afirmou.

Álvaro Beijinha disse esperar que o reforço do número de médicos de Cuba se concretize “o mais rapidamente possível”, até porque as autarquias manifestaram à embaixadora “a sua contínua disponibilidade para cederem casas” para alojar os clínicos, tal como “tem sido feito até agora”.

“O que queremos é mais médicos no concelho, porque os concursos que a Administração Regional de Saúde do Alentejo vai abrindo ficam vazios. Queremos é que toda a população tenha médico de família”, frisou Álvaro Beijinha.

Lusa

Published in Mundo

Hospital Litoral Alentejano
A Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) lançou um concurso público para a ampliação dos Serviços de Urgência Médico-Cirúrgica do hospital sediado em Santiago do Cacém, num investimento de um milhão de euros.

O concurso referente ao Hospital do Litoral Alentejano (HLA), aprovado pelo Conselho de Administração da ULSLA no final de setembro, foi hoje publicado em Diário da República.

Trata-se da ampliação dos Serviços de Urgência Médico-Cirúrgica do hospital, mas, na prática, “vai ser construída uma nova Urgência”, ao lado do HLA, “no sítio onde funciona um parque de estacionamento”, explicou hoje à agência Lusa Jorge Sanches, presidente do conselho de administração da ULSLA.

“Optámos por construir um novo bloco, um novo edifício, para a Urgência, o que implica que não vamos ter que fazer obras internas, dentro do próprio hospital”, referiu o responsável.

Esta solução, frisou, “não só é mais barata”, como evita que, durante as obras, se tenha de “colocar a atual Urgência a funcionar fora do hospital, em contentores”, o que envolveria “mais custos e impactos para os doentes”.

No HLA, segundo Jorge Sanches, a ligação da Urgência aos Cuidados Intensivos, ao Bloco Operatório, aos Cuidados Intermédios e à Imagiologia “é feita através de um elevador dentro do edifício”.

“Se as obras fossem dentro da atual Urgência, teríamos um problema muito sério de manter em funcionamento o próprio hospital”, referiu.

O projeto vai permitir que, durante a empreitada, a atual Urgência se mantenha “em funcionamento quase absolutamente normal”, afiançou, explicando que, quando as obras estiverem prontas é que “vai ser partida uma parede e feita a ligação ao hospital”.

A nova Urgência, que Jorge Sanches espera que possa estar construída “antes de agosto” do próximo ano, vai permitir ao HLA passar de quatro para 12 camas no Serviço de Observação.

“Vamos também ter outro tipo de salas para prestação de cuidados e um quarto de isolamento para dar resposta àquelas situações de doenças que o exijam”, acrescentou.

Segundo o concurso, o prazo de apresentação de propostas termina a 09 de novembro e o prazo de execução da empreitada é de 270 dias.

O Hospital do Litoral Alentejano faz parte da ULSLA, tal como a Unidade de Saúde Pública e o Agrupamento de Centros de Saúde do Alentejo Litoral, com cinco unidades e respetivas 27 extensões, servindo uma população de cerca de 100 mil habitantes fixos.

Lusa

Published in Mundo

Hospital Litoral Alentejano

O Hospital do Litoral Alentejano (HLA), no concelho de Santiago do Cacém, vai contar com médicos provenientes do Centro Hospitalar de Lisboa Norte, no qual se inclui o Hospital de Santa Maria, para colmatar as carências existentes.

A especialidade de Imuno-hemoterapia, que se dedica ao tratamento de doenças através da utilização de sangue ou derivados, é a primeira a ser beneficiada pela colaboração entre a Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) e o Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), entidades que assinaram ontem um memorando de entendimento no HLA, sediado em Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal.

De acordo com o presidente da ULSLA, Jorge Sanches, "este era o caso mais premente" a atender, uma vez que o único especialista de Imuno-hemoterapia do hospital local, Carlos Aldeia, passou a acumular, recentemente, a função de médico com a de director clínico dos cuidados de saúde hospitalares da instituição.

Jorge Sanches, que falava aos jornalistas à margem da cerimónia de assinatura do protocolo, indicou que "alguns profissionais" do Hospital de Santa Maria já se encontram no HLA para "iniciarem" serviço.

"A lógica é que eles possam, através de uma mobilidade parcial, ocupar uma parte da sua semana aqui", explicou o presidente da ULSLA, que iniciou funções há cerca de um mês.

Para o responsável, este é um "bom modelo", que poderá permitir a fixação de novos médicos nos serviços de saúde da costa alentejana.

A colaboração entre as duas instituições, disse, poderá estender-se a outras especialidades médicas, entre as quais a Psiquiatria.

No HLA "há um conjunto de especialidades que tem apenas um médico", referiu Jorge Sanches, o que compromete a prestação dos serviços em caso de "imprevistos".

"Nós não queremos estar tão dependentes assim dessas questões. Precisamos de ter alternativas, não só para melhorar o serviço, mas também para garantir que, a qualquer momento, não possa haver uma rutura", realçou.

Segundo o presidente do CHLN, Carlos Martins, a parceria com a ULSLA insere-se na missão de "proximidade" com as populações que a instituição prossegue e que se estende por alguns serviços de saúde nacionais.

Neste âmbito, exemplificou, o CHLN assegura, quatro dias por semana, as consultas de Psicologia e de Psiquiatria do Centro Hospitalar das Caldas da Rainha, no distrito de Leiria.

Para José Robalo, presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, o memorando de entendimento pode "fazer a diferença" para ultrapassar as carências de profissionais de saúde existentes na ULSLA, uma vez que as vagas que têm sido abertas nos concursos de colocação "ficam por ocupar".

Prestar no HLA um serviço "com a dignidade a que as pessoas têm direito" e evitar que os doentes "tenham de se deslocar" para receber assistência médica, bem como atribuir médico de família a todos os utentes, são os objectivos da ARS enunciados por José Robalo.

Published in Mundo

Hospital_generico

Os médicos que "têm assumido" a chefia de equipa da Urgência do Hospital do Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém, recusaram ontem continuar à frente do serviço, invocando "degradação das condições de trabalho".

Numa carta dirigida ao director clínico do hospital, a que a agência Lusa teve acesso, os médicos apontam "a degradação contínua das condições de trabalho no Serviço de Urgência, quer em termos de falta de material, quer em termos de falta de pessoal".

"Desconformidades sistemáticas da escala de urgência, nomeadamente do Atendimento Geral e do Atendimento Pediátrico", são também anomalias indicadas pelos clínicos, que consideram que "a degradação põe em risco a segurança dos doentes que recorrem ao Serviço de Urgência".

"Apesar de ter havido orientações da tutela para o reforço das equipas de urgência para o cumprimento do Plano de Inverno 2015, e de ter havido reuniões internas ao abrigo desse mesmo plano, não só não se verificou o reforço das equipas, como continuam a ser sistemáticas as desconformidades da escala de urgência, sendo frequente existir um só elemento escalado para o Atendimento Geral durante o dia e durante a noite", acusam.

Segundo os responsáveis, com a passagem da Unidade de Cuidados Paliativos para a Rede Nacional de Cuidados Continuados, vai reduzir-se a capacidade de internamento do HLA, que está integrado na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), agravando a "capacidade de escoamento do Serviço de Urgência".

"O conselho de administração, no âmbito das suas competências, tomou decisões sobre a contratação externa de médicos para o Serviço de Urgência, sem ouvir ou levar em consideração a opinião dos responsáveis intermédios", afirmam.

Os clínicos defendem que tais decisões levaram às "desconformidades" nas escalas de urgência e acusam o conselho de administração da ULSLA de não se ter mostrado "realmente interessado em discutir a problemática".

Indicam ainda acções que levaram a cabo para chamar a atenção para o problema, como a elaboração de um documento no qual "definiram as condições mínimas de pessoal que consideravam necessárias para garantir a segurança e qualidade no atendimento aos doentes", que entregaram à administração no final de Novembro do ano passado.

Os clínicos referem que "têm assumido" a chefia de equipa, "porque muitos deles nunca foram nomeados", "delegando" agora essa responsabilidade no director clínico, Mário Moreira, ao qual compete a responsabilidade da escala do atendimento da Urgência, uma vez que não existe um director neste serviço.

Administração recusa degradação da Urgência

O Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano recusou hoje a acusação de "degradação" do Serviço de Urgência do hospital sediado em Santiago do Cacém feita pelos chefes de equipa demissionários.

Em comunicado, o Conselho de Administração (CA) da ULSLA confirma a recepção, na quinta-feira, por parte do director clínico dos Cuidados de Saúde Primários, de um "abaixo-assinado, no qual catorze médicos do Hospital do Litoral Alentejano informam que se recusam a continuar a assumir a Chefia da Equipa de Urgência, alegando não terem condições".

Na carta, os médicos apontam "desconformidades sistemáticas da escala de urgência, nomeadamente do Atendimento Geral e do Atendimento Pediátrico", que o CA da ULSLA recusa, contrapondo com escalas "já elaboradas e aprovadas" para o mês de Março.

"É de salientar que apenas está por aprovar a designada escala de ‘1º Atendimento’, onde faltam completar três turnos e três meios-dias", indica a entidade, esclarecendo que este serviço funciona com recurso a dois médicos prestadores de serviços.

Na falta de um elemento, explica a ULSLA, que abrange os concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines, "existe uma equipa de médicos especialistas de retaguarda", que inclui cerca de 10 elementos de várias especialidades.

O CA reconhece, contudo, que "existem problemas resultantes, entre outros, da falta de médicos na instituição", o que se reflecte no Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica (SUMC), mas também nas restantes valências da ULSLA, incluindo os centros de saúde e os serviços de urgência básica.

A administração refere igualmente que a "orgânica do SUMC" é uma das suas "prioridades", mas que "ainda não foi possível fechar este assunto, dado que existe uma enorme falta de médicos", bem como "uma grande resistência à mudança".

Para assegurar os serviços, a ULSLA diz precisar de 186 médicos, dispondo actualmente apenas de 79.

Os clínicos afirmam que não houve "reforço das equipas", conforme "orientações da tutela", no âmbito do Plano de Inverno 2015, ao que o CA responde que, "até ao momento", não foi necessário "ir além" do primeiro nível do seu Plano de Infecções Respiratórias.

A administração da ULSLA afirma ainda desconhecer "qualquer alteração relevante" no que diz respeito à integração da Unidade de Cuidados Paliativos na Rede Nacional de Cuidados Continuados, apesar de os médicos garantirem que tal irá "agravar a capacidade de escoamento do Serviço de Urgência".

A entidade informa igualmente que está em fase de conclusão o término do projecto de ampliação do SUMC, que irá "criar melhores condições físicas, técnicas e funcionais para o serviço e os seus utentes".

Published in Mundo

Cubanos capa_jm029

Dois médicos cubanos foram contratados para reforçar o centro de Saúde de Santiago do Cacém, o que vai permitir “atenuar" o problema da falta de clínicos no concelho, divulgou hoje a câmara municipal.

O município de Santiago do Cacém, em comunicado, indicou que os dois médicos cubanos já se encontram no concelho, ainda numa fase de integração, e que vão reforçar os cuidados primários de Saúde.

“São, naturalmente, bem-vindos. Vêm colmatar um défice importante, em particular nos cuidados primários de saúde, não obstante também haver problemas no hospital, igualmente com falta de médicos”, disse o presidente da câmara, Álvaro Beijinha (CDU).

Os clínicos, contratados ao abrigo do protocolo de cooperação entre Portugal e Cuba, vão “atenuar uma parte do problema” da falta de médicos, mas esta, “infelizmente, ainda persiste”, insistiu o autarca.

Os dois clínicos oriundos de Cuba vão ser apoiados pela autarquia, através da “cedência de alojamento gratuito” e de apoio “noutras áreas”, explicou o autarca.

O município manifestou “disponibilidade para trabalhar” com os clínicos, destacando que estes “estão pela primeira vez em Portugal” e que “precisam, obviamente, de uma integração”.

A prestação de cuidados de Saúde à população, sem défice de médicos, é um tema “essencial” na actualidade, reforçou Álvaro Beijinha, lamentando o facto de “continuar sem resposta” o pedido de reunião já endereçado ao ministro da Saúde, Paulo Macedo.

“Foi-nos transmitido que o ministro tinha dado indicações ao presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para me receber”, mas “nós queremos é falar com a tutela, com o poder político”, frisou.

Published in Mundo
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas