Jornal Médico Grande Público

Dias de ciência, poesia e muita emoção
DATA
24/02/2010 04:46:20
AUTOR
Jornal Médico
Dias de ciência, poesia e muita emoção

A reunião anual da Rede Médicos Sentinela decorreu, entre 28 e 30 de Janeiro, no Luso. Foi um evento muito animado, com excelentes apresentações, muita discussão e que cumpriu bem os objectivos propostos. Estiveram presentes cerca de 80 colegas.

A reunião anual da Rede Médicos Sentinela decorreu, entre 28 e 30 de Janeiro, no Luso. Foi um evento muito animado, com excelentes apresentações, muita discussão e que cumpriu bem os objectivos propostos. Estiveram presentes cerca de 80 colegas.
No primeiro dia da reunião foram revelados alguns resultados da notificação contínua de 2008: o trabalho Fractura de Colo de Fémur foi apresentado por José Augusto Simões, médico de família (MF) da Unidade de Saúde familiar (USF) Marquês de Marialva, que mostrou que a taxa de incidência desta fractura aumenta progressivamente com a idade, afectando principalmente as mulheres com 75 e mais anos. Verificou-se que – à semelhança dos outros anos – nem todos os casos foram hospitalizados. De facto, em 2008 foram hospitalizados apenas 83,4% dos casos.
Os resultados do estudo Consulta relacionada com DPOC – apresentados por Dânia Ferreira, do Centro de Saúde (CS) Matosinhos, em colaboração com Jaime Correia de Sousa (USF Horizonte) – mostram que a taxa de incidência de DPOC estimada foi de 68,2/105 casos, o que, ajustando à população portuguesa, estima em 7.248 o número de novos casos anuais de DPOC no país. O principal motivo para esta consulta foi renovação da medicação (67,7%) e a mais frequente decisão clínica que o médico tomou foi prescrever medicamentos (88,3%), tendo sido os anticolinérgicos e os beta-adrenérgicos os mais prescritos, em respectivamente 26% e 19,4% dos casos.
cronica_isabel_falcao_02.jpgOs dados sobre a diabetes foram apresentados por Joana Santos (CS Senhora da Hora), Cristina Pinto e Emília Teixeira (CS Leça da Palmeira). Ficou bem clara a tendência crescente da taxa de incidência da diabetes, mais elevada no sexo masculino.
Os resultados sobre interrupção voluntária da gravidez (IVG) foram apresentados por Elvira Pinto, do CS Barão do Corvo, que mostrou que a taxa de incidência da IVG aumentou apreciavelmente nos últimos dois anos. Relativamente a 2006, o número de IVG realizadas aumentou quase cinco vezes, como esperado, depois da aprovação da Lei n.º 16/2007. Cerca de 80% das IVG foram feitas no Hospital/Serviço de Saúde enquanto em 2007 aquele valor ainda rondava os 48%, apesar de a lei do aborto ter entrado em vigor a meio do ano.

A experiência da pandemia
A pandemia da gripe A foi outro dos temas em destaque na reunião dos Médicos Sentinela. Jaime Nina, responsável pelo Departamento de Doenças Infecciosas do Instituto Ricardo Jorge (INSA), contou-nos a história da gripe pandémica; falou da génese da doença, abordou as várias pandemias dos séculos IX e XX, explicou as alterações que os vírus influenza têm sofrido e os reservatórios onde essas alterações podem ocorrer e resumiu de forma clara algumas características desta infecção.cronica_isabel_falcao_03.jpg

A coordenadora da Rede Sentinela espanhola, Amparo Larrauri e Baltazar Nunes, do INSA, apresentaram os resultados do estudo I-MOVE/ EUROEVA, em Espanha e Portugal. O estudo ainda está a decorrer, mas foram já identificados dois problemas que o colocam em causa e que se prendem com a metodologia utilizada. Sendo que os principais objectivos do estudo são a avaliação da efectividade da vacina antigripal sazonal e pandémica, ambos estão comprometidos… Isto porque gripe sazonal não houve, até agora! Em Portugal, só foram encontrados vírus circulantes A (H1N1) 2009, isto é, da nova estirpe; em Espanha, foram encontrados alguns sazonais, mas muito escassos. Não há, portanto, casos suficientes que permitam testar a efectividade da vacina contra a gripe sazonal.
Quanto à avaliação da efectividade da vacina pandémica, também ela está comprometida, pois no período epidémico, em que seria fácil encontrar muitos casos de gripe, havia raríssimos vacinados, devido ao insucesso das campanhas de vacinação. Agora que o número de vacinados começou a aumentar já não há casos de gripe suficientes para cumprir o objectivo proposto. E se não houver mais gripe este ano, como se espera que aconteça, não será possível fazer qualquer avaliação da efectividade das vacinas. Assim, depreende-se que a metodologia do estudo não serviu para os objectivos propostos.
No entanto, tanto Portugal como Espanha têm cumprido os compromissos assumidos no início do estudo, pelo que ficaremos mal na fotografia! Assim, se está a participar no EUROEVA mantenha-se atento e continue a enviar-nos todos os casos de gripe que encontrar!
As apresentações sobre a vigilância clínica e laboratorial da gripe na época 2009/2010, em Portugal, mostraram que não valeu a pena tanta preocupação, tanto medo e tantos gastos com a pandemia. Mas só pudemos saber isso agora... No Outono passado, as autoridades de saúde não sabiam o que iria acontecer e o princípio da precaução em Saúde Pública obriga, por vezes, à tomada de medidas que mais tarde são reputadas de exageradas.

Um obrigado ao “pai” da Rede
Marinho Falcão, fundador da Rede de Médicos-Sentinela, sofreu um AVC, em Agosto, com uma hemiparésia, da qual ainda não recuperou.
Porém, o médico fez questão de marcar presença na reunião do Luso e preparou um momento muito especial de poesia, revisitando o canto I dos Lusíadas, numa ode agora denominada Desventuras de um hemiparético, da autoria de Luís Vais de Camiões. Foi um momento de emoção, de coragem – literalmente épico – muito aplaudido por todos! Obrigada ao “pai da Rede”, por mais esta excelente lição!
cronica_isabel_falcao_04.jpgOs Médicos Sentinela também brindaram Marinho Falcão com uma surpresa… Foram passadas em slides as imagens da atribuição da Medalha de Ouro do Ministério da Saúde à Rede Médicos Sentinela, por serviços distintos prestados. Tratou-se do reconhecimento oficial que o Estado português fez ao serviço que a nossa rede tem prestado ao país! Nessa sessão, em Outubro de 2009, que nos encheu a todos de orgulho, gravámos os elogios do presidente do INSA, do secretário de Estado da Saúde e dos dois Médicos Sentinela que representaram a rede: Ana Sardinha e Mário Silva.
Ainda durante a reunião, foi atribuído o prémio para a melhor comunicação oral (um cartão FNAC no valor de 150 euros). O trabalho vencedor foi Consulta relacionada com DPOC, da autoria de Dânia Ferreira (CS Matosinhos) e Jaime Correia de Sousa (USF Horizonte).
Este ano, decidiu-se atribuir um segundo prémio ao Médico Sentinela com mais artigos publicados com dados da Rede. Esta distinção foi para José Augusto Simões, que já publicou cerca de uma dúzia de artigos, alguns dos quais como primeiro autor, em revistas conceituadas.

Estudos a realizar este ano
Quase a terminar a reunião, os médicos da rede discutiram as propostas para estudos a realizar em 2010.
Foi aprovada, quase por unanimidade, a repetição do estudo Perfil terapêutico da Hipertensão Arterial, com o objectivo de o comparar com o estudo realizado há 12 anos atrás. Este estudo deverá ser lançado em Maio próximo, em colaboração com o CEFAR/ANF, através de Zilda Mendes.
Com pernas para andar estão, ainda, os estudos Sintomas Somatoformes, Prevalência dos Estafilococos Aureus meticilino resistentes e Gravidez e Tabaco (continuação). Veremos se haverá condições para lançar, pelo menos, um deles.
Para notificação contínua em 2011 foi proposta a Hipertensão arterial (novos casos) e o estudo dos seguintes temas: Consulta relacionada com tiróide, Consulta relacionada com rinite, Consulta relacionada com joelho e Consulta relacionada com sindroma vertiginoso.
No dia de encerramento, o director-geral da Saúde, Francisco George, falou-nos da pandemia de gripe na perspectiva da Direcção-Geral da Saúde: impacto, dificuldades encontradas e lições aprendidas. Por sua vez, o presidente do INSA, José Pereira Miguel, reafirmou o seu total empenhamento em dotar a rede dos recursos humanos que lhe faltam, nomeadamente de um coordenador a tempo inteiro.
Esta foi, certamente, uma reunião que nos encheu de ânimo para continuar a notificar e a fazer cada dia melhor... A sermos mais curiosos (cientificamente!) e a termos ainda mais orgulho nos Médicos Sentinela!

Isabel Falcão
Coordenadora da Rede de Médicos Sentinela

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas