Jornal Médico Grande Público

País dos loucos?
DATA
19/07/2010 05:00:05
AUTOR
Jornal Médico
País dos loucos?

Bem sei que a gente, a gente que lê, pelo menos, corre sérios riscos de enlouquecer, uma vez que, com crescente frequência, o que se lê nos pode provocar doenças diversas, confusão mental, labilidade emocional, gaguez, perturbações do sono e sei lá mais o quê!

rui_cernadas.jpgBem sei que a gente, a gente que lê, pelo menos, corre sérios riscos de enlouquecer, uma vez que, com crescente frequência, o que se lê nos pode provocar doenças diversas, confusão mental, labilidade emocional, gaguez, perturbações do sono e sei lá mais o quê!

Naturalmente a literatura clássica, os bons autores, terão o condão de, em princípio e por definição, nos deixarem ao abrigo daqueles riscos, mas as leituras mais ligeiras - como sejam algumas revistas e jornais - deveriam trazer bem à vista advertência do tipo "maço de tabaco":

- "Atenção! A leitura desta peça pode causar doenças graves" ou até "A leitura dos conteúdos apresentados pode originar impotência ou demência"!

Claro que os tempos de crise que vivemos, não prometem melhores augúrios e provavelmente, a tendência será até de agravamento, mas alguns sinais, por serem verdadeiramente novos, dão esperança aos "portugas"...

Por exemplo, o Papa veio a Portugal!

Outro exemplo: já temos pelo menos dois candidatos assumidos à presidência da república, um deles médico (Fernando Nobre) e outro poeta e escritor (Manuel Alegre).

E até o F.C. Porto já não é mais o campeão nacional de futebol!

 

"Os EUA estão doentes"

 Um texto escrito por Boaventura de Sousa Santos, excelente por sinal, publicado na revista "Visão" (11/03/2010), intitulava-se "Os EUA estão doentes".

E a primeira frase que, com a devida vénia transcrevo, referia:

"Em sentido metafórico, a sociedade norte-americana está doente por muitas razões."

Vale a pena esclarecer que o tema da reflexão anda à volta da reforma da Saúde, promovida pelo presidente Obama e que não poderei estar mais de acordo com o autor quando diz que os Estados Unidos são "o único país do mundo desenvolvido onde a Saúde foi transformada em mercadoria e o seu provimento entregue ao mercado privado das seguradoras."

Em Portugal, felizmente, não é assim!

Isto é, registam-se enormes esforços para que siga o mesmo rumo; tentativas de mercantilizar a saúde, fazendo dela um bem de consumo ou uma mercadoria, o que explica a voracidade e a panóplia de "grupos investidores em saúde"...

Mas Portugal (que em muitos indicadores básicos bate os Estados Unidos aos pontos) não é um país desenvolvido e essa é uma grande diferença...

Em simultâneo e ao invés, entre nós, não são só as seguradoras a querer comer uma boa fatia do negócio.

 

"Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental"

Mas o que mais me perturbou foram as conclusões apresentadas no fim de Março, em Lisboa (onde tudo acontece, até o que não devia acontecer!), a propósito da divulgação do "Estudo Epidemiológico Nacional de Saúde Mental"!

Um em cada cinco portugueses sofre de perturbações psiquiátricas, com uma prevalência de 22,9%!

O que nos posiciona, honrosamente, perto dos tais norte-americanos (26,3%) e muito acima da França (18,4), da Bélgica (12), da Espanha (9,2) e da Itália (8,2).

Ao ponto do responsável pela apresentação do Estudo, o Dr. Caldas de Almeida, Coordenador Nacional para a Saúde Mental, sublinhar que, "Portugal tem um padrão atípico em termos europeus"...

Na verdade isto deve dar-nos o que pensar.

Sobretudo quando se analisam mais dados deste Estudo, como sejam o da referência a 42,7% da nossa população sofrer, ao longo da sua vida, de pelo menos um episódio de doença mental!

Com franqueza e pela minha parte, já terei contribuído para esta casuística.

Outros problemas ajudam a compreender o drama:

- As percentagens de doentes não tratados são tremendas!

- Mesmo entre doentes com formas mais graves, cerca de um terço, não beneficiou de qualquer forma de terapêutica;

- 10% dos portugueses já tiveram perturbações ligadas ao consumo abusivo de álcool e não consta que seja por razões ligadas à desinfecção;

- Os Cuidados Primários atendem cerca de metade dos casos mais graves!

Bem vistas as coisas, por outro lado, podemos ficar mais tranquilos.

Nem valerá a pena perder tempo, porque o tempo, para os loucos, pouco significa e representa...

Afinal, há sempre uma razão para o que nos acontece, ainda que essa razão nos seja confiada ou encomendada por alguém, probabilisticamente falando, tão louca quanto eu! Mas isto deve ter muito a ver com a nossa História e as recombinações genéticas que os antepassados, viris e ousados, promoveram e procriaram.

Hoje, se fosse hoje, decerto face à menor virilidade aparente e propalada, esse risco seria, porventura, menor...

Rui Cernadas
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas

Has no content to show!