Eunice Carrapiço: uma experiência inspiradora…
DATA
02/01/2012 08:37:37
AUTOR
Jornal Médico
Eunice Carrapiço: uma experiência inspiradora…

As unidades de saúde e de medicina familiar em Porto Alegre, em particular as do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) são uma referência de formação na residência (internato) de medicina de família e comunidade (MFC) no Brasil

 

Texto integral só disponível na edição impressa

cronica_eunice_carrapico_225_01.jpgCandidatei-me ao Programa de Intercâmbio entre a APMCG e a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), que incluía a participação no 11º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade e 4º Encontro Luso-brasileiro de Medicina Geral, Familiar e Comunitária e a possibilidade de realizar um estágio em unidades de saúde da família, no Brasil. No meu caso, o destino foi Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul. O estágio decorreu entre 27 de Junho e 1 de Julho de 2011 e constituiu uma oportunidade de contactar com a medicina familiar noutro continente.

 

Porto Alegre - uma referência no Brasil

As unidades de saúde e de medicina familiar em Porto Alegre, em particular as do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) são uma referência de formação na residência (internato) de medicina de família e comunidade (MFC) no Brasil. Os residentes (internos) vêm de todo o Brasil, por vezes de locais a mais 3000 km de distância, para ali fazerem a residência. Em Porto Alegre, para além das 12 unidades do GHC, há também a Unidade Universitária do Hospital das Clínicas e as unidades municipais que cobrem o resto da população mas que têm muito piores condições ao nível das instalações e do equipamento e onde não há trabalho em equipa. As unidades do GHC foram pioneiras na residência de MFC, com início em 1980. O actual presidente da SBMFC, Dr. Gustavo Gusso, foi residente no GHC.

 

Uma experiência muito enriquecedora

O estágio foi intensivo, cansativo... e compensador. Estive em cinco unidades diferentes e foi uma experiência muito, muito enriquecedora... Fui muito bem recebida em todas as unidades por onde passei. Participei em consultas, discuti casos clínicos e genogramas familiares com preceptores (equivalentes aos nossos orientadores de formação) e residentes, acompanhei as equipas nas visitas domiciliárias, participei em reuniões das unidades, em aulas da residência, visitei duas comunidades (Favela/Vila "Beco da Paz" e a Vila Dique) e observei a realização de procedimentos de pequena cirurgia.

 

O meu caderno de viagem

Contactei com o programa da residência de MFC e conheci melhor a história do Sistema Unitário de Saúde (SUS) e da MFC no Brasil através de filmes e da participação em reuniões e seminários. Conheci muitas pessoas com quem troquei experiências, vivências, contactos e documentos. Fizeram-me muitas perguntas, que reflectiam grande curiosidade em conhecer melhor o nosso programa de internato e a organização dos CSP em Portugal. Eu... anotava constantemente todas as novidades, testemunhos, factos e impressões no caderno de apontamentos que foi o meu companheiro de viagem... e acabei por me sentir, mais jornalista do que médica. Trouxe ainda vários livros.

A estadia em Porto Alegre, apesar de curta, foi inspiradora. Acho que o principal objectivo destas "andanças" pelo mundo, no final das contas, é este mesmo: voltar para casa com novas ideias!

Texto integral só disponível na edição impressa

 

 

 

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas