Dobrar o «Cabo das Tormentas»
DATA
25/01/2012 08:32:14
AUTOR
Jornal Médico
Dobrar o «Cabo das Tormentas»

O ano de 2012 rege-se pela «batuta» da austeridade. Em Portugal cresce a desigualdade social...

O ano de 2012 rege-se pela «batuta» da austeridade. Em Portugal cresce a desigualdade social e os pobres estão cada vez mais pobres, enquanto uns tantos (poucos) se podem colocar a salvo. Somos profissionais de saúde. Desta realidade, que também é nossa, damos conta do que ela significa para muitos que necessitam dos cuidados que devemos prestar

Diz a sabedoria popular que «para grandes males grandes remédios»... mas tal verdade implica que os remédios estejam de acordo com os males identificados. Em Saúde nem tudo se pode reduzir à «dívida». Fazê-lo e continuá-lo neste ano de 2012 é negar o ganho que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) trouxe para a população.

Há limites para os sacrifícios e em 2012 esses limites não devem ser ultrapassados. Por isso seria expectável que a orientação política operasse uma mudança de paradigma e de reforço dos cuidados de proximidade - criando condições para que os centros de saúde sejam a efetiva «porta de entrada» no sistema - transformando os hospitais numa rede de cuidados de segunda linha.


Enf.ª Maria Augusta Sousa (Bastonária da Ordem dos Enfermeiros)


 Texto integral só disponível na edição impressa

 

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas