Vida
DATA
09/02/2012 08:47:42
AUTOR
Jornal Médico
Vida

No seu livro The Future Shock, Alvin Toffler descreve A Família Fracturada...

No seu livro The Future Shock, Alvin Toffler descreve A Família Fracturada. A sua previsão, datada de 1970, foi bastante precisa. A "Família Aerodinâmica", por oposição à "Família Alargada", adaptava-se bastante bem ao ritmo acelerado da época industrial, é um facto. Uma ou duas gerações sob o mesmo tecto, é um facto. Casamento temporário ou matrimónio em série: é hoje um facto em cerca de 50% dos casais. E Toffler notou: as minorias experimentam, as maiorias agarram-se às fórmulas do passado. Acha que demasiada mudança conduz à morte?

O que acontece realmente com as pessoas quando lhes é pedido que mudem constantemente? O autor introduziu a Rahe - Holmes Life-Change Units Scale (publicada em 1967) e a descoberta de que a mudança pode levar à doença. Doenças relacionadas com o stress exigem cuidados e, desde então, observamos (vemos aquilo que reconhecemos) vendas crescentes de benzodiazepinas e de inibidores da bomba de protões. Biliões de euros, dólares, iénes e outras moedas gastas em produtos anti-stress.

Parece haver uma política global para manter as pessoas constantemente stressadas, daí a corrida a spas, massagens zen, tai chi, praias e férias relaxantes... e uma constante nascente de drogas legais e ilegais.

Enquanto médicos de família (MF) trabalhamos com e em famílias todos os dias. Umas vezes de perto, outras mais distantes, observamos e influenciamos, de uma forma ou de outra, as vidas dos nossos doentes. E recebmos muitos elogios por fazê-lo. Uma fonte constante de energia positiva... Haverá melhor forma de trabalhar e de viver?

 

Carl Steylaerts, MD

Tesoureiro honorário da WONCA Europa

 

A ver:

http://www.pluk.org/Pubs/09_08_04.pdf

http://www.triplep.net/

 

Texto integral apenas disponível na versão impressa

 

 

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas