Jornal Médico Grande Público

Rui Cernadas: NOC, NOC, NOC…
DATA
07/05/2012 10:33:53
AUTOR
Jornal Médico
Rui Cernadas: NOC, NOC, NOC…

A governação clínica exige - não dispensa minimamente - uma forte liderança, uma coerente capacidade de influência e o envolvimento global dos diversos grupos profissionais dos serviços e instituições

 

rui_cernadas.jpgEm tempos de necessidade, as necessidades avolumam-se e questionam-se as oportunidades...Em matéria de saúde, porém, para além da garantia de qualidade dos cuidados dispensados, pese embora a enormidade e ferocidade de factores exógenos, incluindo os de natureza estrutural e financeira, há que perceber em que medida as instituições vão aguentar e adaptar-se.

Nestes termos, a governação clínica é valorizada justamente como metodologia para a salvaguarda dos padrões de qualidade e de exercício da actividade clínica.

Exactamente por isso, assume-se como um modelo organizativo de governação e direcção integrado!

Integrado no sentido em que inclui os aspectos económicos e financeiros, o desempenho clínico, a sua avaliação, o estímulo à prossecução da qualidade no sentido mais elevado do seu entendimento.

Mas a governação clínica exige - não dispensa minimamente - uma forte liderança, uma coerente capacidade de influência e o envolvimento global dos diversos grupos profissionais dos serviços e instituições.

Só deste modo se compreenderá o uso eficiente de todos os recursos, enquanto imperativo ético de todos nós...

Neste contexto, um dos pilares fundamentais da governação clínica é o da melhoria permanente da qualidade dos processos.

É aqui que se situa a discussão da elaboração ou adaptação das guias de prática clínica ou "guidelines" e sua posterior implementação.

De facto, trata-se de documentos essenciais na gestão do risco clínico global e na segurança dos doentes, para além de constituírem instrumentos úteis na actividade médica e objectos de indispensável actualização regular.

O problema - se assim lhe poderei chamar - radica no facto de em torno da sua divulgação se ter feito muito ruído!

E parte desse ruído, provavelmente, deriva do outro facto - não sei se contraproducente - de sermos um país de extremos e do tudo ou nada: de algumas Normas da Direcção Geral de Saúde que, poucos liam ou conheciam, passámos para uma produção desenfreada e exibicionista que, na verdade, quase nem deixa os seus destinatários valorizá-las, assimilá-las e integrá-las na sua prática.

Por outro lado, sejamos francos, poderão ser pedagógicas na perspectiva de quem leva a sério a Medicina Geral e Familiar, uma especialidade que tudo tem que fazer, tudo tem de saber tratar e tudo tem que poder prevenir, gerir ou referenciar...

É por isso que, para mim, é inquestionável que as Normas devem ser entendidas como mecanismos facilitadores e não como uma ferramenta da ditadura ou da repressão.

Na realidade, no dia-a-dia, face às quase cem "guidelines" anunciadas, será impossível que alguém as possa incorporar e cumprir à risca.

Ou que algum colega venha a ser preso ou detido para interrogatório se o não fizer!

Mas com efeito, tornam-se e tornar-se-ão mecanismos acessíveis, fáceis e práticos de aceder a revisões e orientações clínicas de qualidade!

Não as devemos entender como meios de imposição orçamental ou de custos, mas antes como um passo decisivo e correcto no sentido de proporcionar melhor tratamento aos nossos pacientes, de modo mais racional, correcto e adequado, sempre na única perspectiva técnica e eticamente aceitável: a da individualização do tratamento.

Falar da parametrização dos indicadores, o passo fundamental e em falta, vai ser crucial para se avaliar das vantagens da introdução e desenvolvimento das Normas.

Não será aceitável que alguns colegas as entendam, sempre e a todos os títulos, como não aplicáveis. Mas já poderá acontecer que, a muitas, o tempo e a investigação médica as corrijam ou inflictam, obrigando à respectiva revisão e actualização.

O que não será admissível é que algumas atitudes impensadas e não consolidadas face ao conhecimento científico, se possam manter ou perpetuar em nome duma qualquer liberdade técnica ou autonomia profissional, incompatíveis com a modernidade e o presente da Especialidade e com a dignidade devida aos nossos doentes!

Por outro lado, alguns desses médicos poderão sempre estudar e aprofundar o seu conhecimento, permitindo ou viabilizando uma revisão antecipada ou uma discussão inter-pares mais alargada e aprofundada.

Também aqui, o papel dos auditores vai ser determinante, abrindo portas a uma recertificação que o próprio Presidente do Colégio de Especialidade da MGF, o nosso colega José Silva Henriques, tem defendido em vários fóruns e palcos.

A liberdade de prescrição não é o direito, ou um direito a qualquer prática individual não alicerçada, nem sedimentada em sabedoria e em função dos interesses e especificidades de cada doente.

Mesmo sabendo e estranhando que este passo, o da implementação das Normas, resulte da decisão ou da imposição do Memorando de Acordo Financeiro negociado pelo governo português com a "Troika", é caso para dizer que mais vale ser alguém a dar-nos as regras e as indicações para o caminho, do que nos mantermos outra vez "orgulhosamente sós"...

Esperemos que todo este esforço nos traga os resultados que a produção de saúde justifica e impõe.

Aguardemos que os médicos e os seus doentes se sintam orgulhosos e satisfeitos por um novo tipo de relacionamento agora aberto por esta via.

E que o Governo se sinta também recompensado pelo seu SNS!

Os portugueses, todos os portugueses, quer os doentes, quer os profissionais de saúde, quer os contribuintes, ficarão gratos!

 

Rui Cernadas
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas

Has no content to show!