Imagem 720*435
DATA
31/05/2012 09:15:13
AUTOR
Jornal Médico
Curtas

O sono dos lactentes gera em mim uma estranha sensação de reverência mesclada de curiosidade...

"Mas o melhor do mundo são as crianças (...)"
Fernando Pessoa

O sono

O sono dos lactentes gera em mim uma estranha sensação de reverência mesclada de curiosidade. Dá-me a impressão de que levam muito a sério o desempenho dessa função. Olhos cerrados, donde desponta uma ténue fiada de pestaninhas e lábios firmemente unidos dão-lhes um semblante de responsável comprometimento com a nobre tarefa de dormir. Uma inopinada fusão de serenidade e empenho.

Aproveitem bem, que a guerra aberta ao repouso em breve virá perturbar tão simpática e salubre atividade.

A chupeta

Já desperto, o lactente, quando munido de chupeta, desperta-me uma pontada de inquietação e caso cruze comigo o olhar, velada a boca e, com ela, parte da comunicação não-verbal, sinto-me em posição de discreta desvantagem. A menos que um amplo sorriso extravase os limites da chupeta e vinque o sulco naso-geniano, ou enrugue as regiões peri-orbitárias, há uma certa assimetria na comunicação que deixa o adulto (de cara e íntimo descobertos) em ligeira mas sensível desigualdade.

Assomei à porta do consultório e deparei-me com a pequenita que caminhava corredor afora. Entre os 15 e 20 meses, calculei. Do ralo cabelito, pendia um daqueles ganchinhos inúteis que são fruto duma ironia terna. Baixei-me até que os nossos olhares se nivelassem.

Versão integral apenas disponível na edição impressa

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas