Jornal Médico Grande Público

Pedro Azevedo: viagens pelos mundos das vinhetas
DATA
28/02/2013 10:08:24
AUTOR
Jornal Médico
Pedro Azevedo: viagens pelos mundos das vinhetas

Venho aqui deixar o meu testemunho da minha viagem pelos mundos da requisição de vinhetas .De um processo de 30 minutos passamos para um processo de 15 dias... Vários telefonemas e muitos minutos de espera telefónica a ouvir o melhor de Vivaldi e Beethoven!

Versão integral apenas disponível na edição impressa

Caros colegas,

Venho aqui deixar o meu testemunho da minha viagem pelos mundos da requisição de vinhetas.

Antes de mais deixem-me explicar como até agora realizava a minha requisição de vinhetas. Vivo no Porto, na Rua Fernão Magalhães, logo, tinha que descer a rua, entrar na ACSS, esperar em média uns aborrecidos 15 minutos para ser atendido e fazer a minha requisição de vinhetas, que pagava e trazia na hora. O processo, todo, demorava cerca de 30 minutos.

Por razões profissionais, que não a prescrição de medicação, vi-me na necessidade de encomendar vinhetas. As minhas antigas vinhetas tinham sido gastas em Dezembro e em Janeiro não tinha como realizar a minha encomenda senão pelo novo portal de requisição de vinhetas e receitas. Lembrava-me, vagamente, de em Agosto me terem mandado um código para activar o processo. Não encontrando o papel dirigi-me à Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos onde, como de costume, no próprio dia me deram novo código de activação. Era o dia 3 de Janeiro de 2013 e, sendo eu um moço prevenido, precisava das vinhetas para 18 de Janeiro de 2013.

Chegado a casa lá inseri o código de activação e tudo o mais que me pediam, entre e-mails de activações e confirmações, tudo ficou resolvido. Fiz a minha encomenda e, como também sou um rapazinho moderno, fiz o pagamento on-line. Tudo porreiro! Apareceu imediatamente a informação de que a encomenda estava em processo de produção e como a tinha encomendado em modo "normal" demoraria um prazo médio de três dias após confirmação de pagamento (que tinha já sido efectuado). Havia ainda a possibilidade de pedir uma expedição urgente (um dia), mas achei que não precisava, pois tinha bastante tempo para a recepção das vinhetas.

Começa então o meu pequeno Calvário! Passada uma semana e por não ter recebido as vinhetas no correio (conferia a caixa diariamente) resolvi ir ao site e ver o que se passava: a encomenda ainda se encontrava em fase de produção. Havendo essa possibilidade no site resolvi fazer uma participação de ocorrência. Passados três dias e como nada se passava fiz nova participação de ocorrência e liguei para o número de apoio ao cliente do portal. Fui atendido por um funcionário que me informou daquilo que eu, facilmente, tinha constatado no portal sem a ajuda do mesmo. Pedi, então, para saber o que se passava com as vinhetas. Fui informado de que estava a falar para a linha de "apoio técnico" do portal e como tal não me podiam ajudar mais, pois a encomenda já não estava nas mãos deles mas sim nas da Casa da Moeda ou nas da empresa distribuidora.

Muito desiludido resolvi esperar até ao final de semana e 2ª feira (já estávamos a dia 14 de Janeiro!) liguei, depois de constatar que a encomenda se encontrava exactamente no mesmo estado, para o portal de ajuda técnica para saber se me podiam dar o contacto da empresa distribuidora. Desta vez disseram-me que iriam contactar os responsáveis pelos atrasos (que pelos vistos eram uma constante) e que nesse mesmo dia, ou no próximo, a encomenda estaria nas minhas mãos (confesso que por esta altura o meu tom já era um pouco menos que simpático...). De notar que só consegui este progresso porque recorri à célebre frase "deixe-me então falar com o seu superior"... Caso contrário tinha já ouvido a resposta do "apoio técnico".

Como no dia seguinte de manhã (15 de Janeiro) não tinha ainda nada na caixa de correio nem o status das vinhetas tinha mudado, resolvi ligar para a empresa de distribuição que entretanto tinha descoberto qual era. Fui lá informado, depois de me passarem o telefone de assistente para assistente três vezes, que nessa manhã tinham recebido da Casa da Moeda a minha encomenda e que esta seria expedida nesse mesmo dia ou no próximo (onde é que eu tinha já ouvido isto)... Verifiquei, de facto, que no final desse dia o status da minha encomenda tinha maravilhosamente mudado: passou de "em produção" para "em expedição". Mas que grande vitória! Mas vinhetas, nem vê-las...

Dia 17 de Janeiro, porque ainda não tinha recebido as prometidas vinhetas resolvi, com um novo código da empresa de distribuição que entretanto apareceu no site, ir ao site da empresa de distribuição e procurar onde estava a minha encomenda. Descubro que tinha andado perdida e que naquele momento estava num armazém perto de Pedrouços. Menos mal, penso eu, se tudo continuar a correr da forma miserável como até agora posso sempre ir lá de carro e trazer directamente a minha encomenda. Ligo novamente para a empresa de distribuição a perguntar o que se passava e como podia receber a minha encomenda. Reinformaram-me, novamente, daquilo que tinha possibilidade de descobrir pelo site dos mesmos. Insisti que precisava das vinhetas para o dia seguinte e que gostava de saber o que se passava. Rodei novamente três vezes entre assistentes (no fundo é como jogar ao jogo da cadeira, a ver onde explode o cliente) e finalmente foi-me dito que a encomenda seria entregue em minha casa nesse dia e que teria de estar em casa para a receber! Perguntei a hora. Disseram-me que não podiam saber. Expliquei que por muito que gostasse não posso passar o dia todo em casa pois trabalho (o que aparentemente é uma dificuldade à encomenda de vinhetas). Depois de eu insistir muito, a senhora informou-me que tinha que me indicar um período razoável de tempo; que me ligaria. Passado algum tempo ligou-me a informar que a encomenda seria entregue das 14h às 15h dessa mesma tarde. Agradeci o que aparentemente foi um enorme favor, pois como a mesma frisou, teve que ligar ao condutor que andava a distribuir as encomendas para saber. Desliguei.

Como a distribuidora me disse que apenas recebeu a encomenda da Casa da Moeda dia 15 e a mesma tinha sido envidada para lá dia 3 resolvi ligar para a Casa da Moeda. Linha de apoio ao cliente: Ninguém atendeu. Linha de contacto geral: atendem e informam-me que devia ter ligado para a linha de contacto ao cliente... Desesperante! Nem me dei ao trabalho de explicar e passei ao meu assunto. Aqui rodei cinco vezes entre assistentes até chegar ao topo, com quem queria falar, que me informou que a Casa da Moeda não me podia dar informações e que as mesmas teriam que ser pedidas aos funcionários do Ministério da Saúde, do qual me deram o número de contacto telefónico. Como não sou menino de desistir (e tinha que esperar para me entregarem as vinhetas) liguei para o tal número onde, espantem-se, tive apenas que passar por dois assistentes! Que me disseram... Que o processo está atrasado devido ao grande volume de encomendas, para o qual não estavam preparados. Perguntei que fenómeno imprevisível tinha acontecido. Disseram-me que nenhum e que apenas não estavam preparados para a transição entre as vinhetas antigas e as novas e que tal não tinha sido decidido por eles... Que estavam ali para apenas dar "apoio técnico"...

E pronto... como me acabou o saldo do telemóvel resolvi deixar por aqui a minha saga. As vinhetas chegaram, finalmente, e tive que as receber pessoalmente para assinar a encomenda.

De um processo de 30 minutos passamos para um processo de 15 dias... Vários telefonemas e muitos minutos de espera telefónica a ouvir o melhor de Vivaldi e Beethoven!

Viva o progresso que nos traz cultura!

 

Bem haja a todos.

Pedro Azevedo

Interno de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar 3.º ano.
USFFânzeres
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas