Jornal Médico Grande Público

Maria Teresa Cardoso: o AVC na mulher
DATA
16/10/2014 15:57:05
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Maria Teresa Cardoso: o AVC na mulher

[caption id="attachment_10495" align="alignnone" width="300"]CardosoDraTeresa Maria Teresa Cardoso - Especialista em Medicina Interna no Centro Hospitalar de São João; Coordenadora Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna[/caption]


O acidente vascular cerebral (AVC) tem um grande impacto negativo na sociedade e sobretudo nas mulheres. De facto, ao longo da vida, a mulher tem um risco de AVC superior ao do homem. O predomínio do AVC nas mulheres é explicável, em parte, pelo envelhecimento da população e pela maior esperança de vida do sexo feminino. As mulheres têm mais probabilidade de enviuvar e viverem sós antes do AVC e, assim, de serem institucionalizadas após o AVC, tendo uma pior recuperação relativamente aos homens.

A mortalidade por AVC na mulher acima dos 75 anos é também superior à do homem. Em suma, as mulheres são as mais afectadas, particularmente em idades avançadas. É fundamental ter consciência desta realidade e implementar estratégias preventivas adequadas.

A pressão arterial (PA) elevada é o factor de risco modificável mais frequente e relevante para o AVC, e é também mais frequente e elevada na mulher após a menopausa, o que sugere um importante papel hormonal na sua regulação. Verifica-se também uma diminuição do controlo da PA com a idade, mais acentuado na mulher. A redução do sal na dieta traduz-se numa significativa diminuição na PA e o tratamento precoce e sustentado da PA é crítico, pois está associado a uma redução de 38% no risco de AVC em mulheres com mais de 55 anos.

Outro factor de risco major para o AVC é a fibrilação auricular (FA), uma arritmia muito frequente nos idosos, com predomínio nas mulheres e que está associada a um risco de AVC aumentado em 4 a 5 vezes, também mais elevado para as mulheres. Além disso, constata-se que a mulher com FA tem menos probabilidade de receber tratamento hipocoagulante em relação ao homem.

Tendo tudo isto em conta, é essencial procurar esta arritmia em indivíduos com mais de 75 anos, avaliando o pulso, fazendo eletrocardiograma ou outros métodos diagósticos mais específicos. O tratamento hipocoagulante no doente com FA reduz em 60% o risco de AVC estando agora disponíveis no mercado novos anticoagulantes orais.

Nunca é de mais realçar a importância do estilo de vida saudável na prevenção do AVC: actividade física regular, moderação do consumo de álcool (menos de 1 bebida por dia), abstenção do tabaco, dieta rica em frutos e vegetais, grão, baixa em gorduras saturadas e em sal.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas

Has no content to show!