11 de abril: Dia Mundial da Doença de Parkinson
DATA
08/04/2019 17:40:26
AUTOR
Josefa Domingos
ETIQUETAS

11 de abril: Dia Mundial da Doença de Parkinson

Há cerca de 200 anos, em 1817, James Parkinson médico inglês descrevia, pela primeira vez, no “An Essay on the Shaking Palsy”, uma das doenças neurológicas mais comuns e intrigantes: a Doença de Parkinson.

James Parkinson nasceu a 11 de abril 1755 e é por esta razão que todos os anos, a 11 de abril, se assinala o Dia Mundial da Doença de Parkinson. Este dia é assinalado em todo o mundo com ações de sensibilização sobre a Doença de Parkinson, para informar e consciencializar a população mundial para esta doença crónica neurológica degenerativa, até hoje sem cura. 

Calcula-se que em Portugal a prevalência da doença é de 100 a 200 casos a cada 100 mil habitantes, em geral com mais de 60 anos, mas são cada vez mais frequentes os casos de Parkinson jovem.

No Dia Mundial da Doença de Parkinson, a Associação ‎ Portuguesa de Doentes de Parkinson (APDPk) de Lisboa realiza durante a tarde uma sessão de informação, formação e convívio no auditório do Centro de Medicina Desportiva, no Estádio Universitário de Lisboa, através duma colaboração com a Faculdade de Motricidade Humana. Haverá diversas comunicações de especialistas na área - neurologistas, investigadores, neurofisioterapeutas, terapeutas da fala e um doente que dará o seu testemunho sobre o impacto que a doença tem na sua vida.

Neste dia, é importante assinalar, o impacto que a doença tem na vida dos doentes e sensibilizar a comunidade em geral de forma a criarmos uma sociedade cada vez mais informada e capaz de melhor integrar estes doentes nas diversas atividades sociais. É importante assinalar também, o papel de todos os profissionais da saúde que, ao longo dos anos, vêm trabalhando e investigando formas de melhorar a qualidade de vida destes doentes e capacitar os seus familiares e cuidadores.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas