Acupuntura – Indicações na Dor Crónica
DATA
17/09/2019 10:36:24
AUTOR
Sofia Melo
ETIQUETAS


Acupuntura – Indicações na Dor Crónica

A acupuntura é praticada na China há mais de 3000 anos, sendo um dos ramos da Medicina Tradicional Chinesa que tem ganho uma crescente aceitação entre profissionais de saúde.(1)

Esta é definida como uma técnica de inserção de agulhas e estimulação de tecidos somáticos para fins terapêuticos,(2) podendo estar associada a vários meios de estimulação como calor, pressão, eletricidade, entre outros.(3)(4)

A sua técnica tradicional consiste na inserção de agulhas que são “torcidas” manualmente para estimular terminações nervosas mecanossensíveis.(2) A eletroacupuntura recorre ao uso de estímulos elétricos aplicados nas agulhas, atuando em todos os tipos de fibras.(2) Quando comparadas as duas técnicas foi demonstrado um efeito analgésico superior com a eletroacupuntura.(2)

Os seus mecanismos de atuação foram extensivamente investigados e atualmente sabe-se que ocorre através da libertação de opióides do próprio corpo humano e aumento da sua sensibilidade(5). Segundo Hsieh et al.(2) a estimulação elétrica de baixa frequência induz um aumento nos níveis de β-endorfinas no tecido cerebral(3) e atua também nos recetores opióides específicos na medula ventrolateral.(1) A nível do córtex cerebral verifica-se que o hipotálamo e alguns núcleos desempenham um papel no efeito mediador(3) e que o efeito analgésico também decorre da desativação de áreas límbicas.(2) Por outro lado, a modulação inibitória descendente também pode ser regulada.(2)(6) Além disso, há a libertação/regulação de substâncias bioquímicas envolvidas na dor: encefalinas, serotonina, norepinefrina, GABA, oxitocina e adenosina.(3) A estimulação da substância cinzenta periaquedutal, pela electroacupuntura, leva à ativação do sistema serotoninérgico inibitório descendente, que por sua vez está ligado aos núcleos da rafe no tronco cerebral.(3) Por sua vez, a adenosina promove a inibição local das fibras nociceptivas.(2) Os Diffuse Noxious Inhibitory Controls também têm um papel importante, pois estão envolvidos nos mecanismos desta técnica.(3)

As principais indicações da acupuntura na terapêutica da dor crónica centram-se na dor nociceptiva do tipo músculo-esquelético de caráter inflamatório ou não(7), com principais benefícios na lombalgia, cervicalgia, omalgia, osteoartrite do joelho e cefaleia crónica.(4)(7)(8)(9)(10) A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que as condições cronicamente dolorosas do aparelho locomotor acompanhados de movimentos restritos das articulações são positivamente tratáveis com acupuntura se a sua intervenção cirúrgica não for necessária.(11) Há ainda efeitos positivos na dor facial crónica, nomeadamente, nas deformações craniomandibulares de origem muscular e na dor/disfunção temporo-mandibular.(11) Quanto à dor após cirurgia de coluna são detetadas algumas melhorias, embora não tão significativas.(4) Ao nível de cuidados paliativos e oncológicos há uma redução efetiva da dor e melhoria na qualidade de vida.(8)

Segundo a Norma de Orientação Clínica, da Direção-Geral da Saúde, sobre o tratamento da dor neuropática, a acupuntura/eletroacupuntura apresentam benefícios devido quer à sua ação local, quer à dos potenciais efeitos a nível segmentar e supra-segmentar, bem como ao seu efeito relaxante.(12) Porém, uma revisão da Cochrane afirma que não há evidências suficientes para apoiar ou refutar o uso de acupuntura para dor neuropática em geral, ou para qualquer condição específica de dor neuropática.(2)

No âmbito da Fibromialgia, segundo uma revisão, da Current Pain and Headache Reports, não há benefício no uso de acupuntura para melhoria da dor ou da qualidade de vida, porém dado o seu perfil benigno, não deve ser desencorajada.(13) Segundo a OMS pode ser útil, mas precisa de maior corroboração.(11)

A acupuntura apesar de algumas controvérsias, apresenta-se como uma possível terapêutica adjuvante segura e eficaz no tratamento da dor crónica, muitas vezes em contexto de opções farmacêuticas com pouca eficácia e com potenciais riscos e complicações importantes.(3)

 

 

Referências

  1. Zhuang Y, Xing J, Li J, Zeng B-Y, Liang F. History of acupuncture research. Int Rev Neurobiol. 2013;111:1–23.
  2. Ju ZY, Wang K, Cui HS, Yao Y, Liu SM, Zhou J, et al. Acupuncture for neuropathic pain in adults. Cochrane database Syst Rev. 2017 Dec;12:CD012057.
  3. Ondrejkovicova A, Petrovics G, Svitkova K, Bajtekova B, Bangha O. Why acupuncture in pain treatment? Neuro Endocrinol Lett. 2016 Jul;37(3):163–8.
  4. Munoz-Ortego J, Solans-Domenech M, Carrion C. Medical indications for acupuncture: Systematic review. Med Clin (Barc). 2016 Sep;147(6):250–6.
  5. Pomeranz B, Chiu D. Naloxone blockade of acupuncture analgesia: endorphin implicated. Life Sci. 1976 Dec;19(11):1757–62.
  6. Takeshige C, Sato T, Mera T, Hisamitsu T, Fang J. Descending pain inhibitory system involved in acupuncture analgesia. Brain Res Bull. 1992 Nov;29(5):617–34.
  7. Vickers AJ, Linde K. Acupuncture for chronic pain. JAMA. 2014 Mar;311(9):955–6.
  8. Yin C, Buchheit TE, Park JJ. Acupuncture for chronic pain: an update and critical overview. Curr Opin Anaesthesiol. 2017 Oct;30(5):583–92.
  9. Coutaux A. Non-Pharmacological Treatments for Pain Relief: TENS and Acupuncture. Jt Bone Spine [Internet]. 2017; Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbspin.2017.02.005
  10. Chou R, Cote P, Randhawa K, Torres P, Yu H, Nordin M, et al. The Global Spine Care Initiative: applying evidence-based guidelines on the non-invasive management of back and neck pain to low- and middle-income communities. Eur spine J Off Publ Eur Spine Soc  Eur Spinal Deform Soc Eur Sect Cerv Spine Res Soc. 2018 Sep;27(Suppl 6):851–60.
  11. Organization WH. Acupuncture: Review and Analysis of Reports on Controlled Clinical Trials. 2003.
  12. Direcção-Geral da Saúde. Abordagem Terapêutica da Dor Neuropática no Adulto e no Idoso. 2014.
  13. Aman MM, Yong RJ, Kaye AD, Urman RD. Evidence-Based Non-Pharmacological Therapies for Fibromyalgia. Curr Pain Headache Rep. 2018;1–5.
Serviço Nacional de Saúde – 40 Anos
Editorial | Jornal Médico
Serviço Nacional de Saúde – 40 Anos

Reler as origens do Serviço Nacional de Saúde ajuda a valorizar o presente e pode ser uma forma de aprender para investir no futuro com melhor fundamentação

Mais lidas