Tempo conjugado no presente
DATA
21/01/2020 10:56:43
AUTOR
Ana Teresa Abreu
ETIQUETAS


Tempo conjugado no presente

Não percas tempo. Avalia o episódio anterior, lê os registos. Planeia a agenda da consulta que vais iniciar.

Chama pelo utente e vai recebê-lo à porta do gabinete. Repara como ele vem a deambular com dificuldade, repara como ele precisa do seu tempo. Não desesperes. Recebe-o com um sorriso e ouve ativamente as suas queixas. Sê empático, desvia o olhar do ecrã e cruza-o com o da pessoa que estás a cuidar. Passaram oito minutos e entregou-te problemas guardados ao longo de oito meses. Organiza-te. O teu tempo é curto, mas é o tempo dele. Faz as tuas perguntas, inspeciona, palpa, ausculta. Ele diz qualquer coisa sobre o jogo de futebol do vosso clube na noite anterior mas só sorris, porque não há tempo a perder. Explica com clareza as tuas conclusões e certifica-te que a informação é entendida. Propõe um plano, considerando as suas preferências e idiossincrasias. Olha para o relógio, o tempo não para. Percebes que toma dois fármacos iguais por terem embalagens diferentes. De novo, não desesperes! Revê toda a prescrição habitual e explica-lhe como tomar cada um deles. Escreve num papel para poder mostrar à esposa que organiza a sua medicação. Preparas-te para encerrar a consulta, já atrasado para iniciar a seguinte. E lá vem o já agora!… Sabes que os quinze minutos de que dispõem já se esgotaram, mas não vais falar de tempo. E lá vem o sinal de alarme, a verdadeira queixa escondida. Culpas-te por a não teres identificado no início da consulta. Se ao menos tivesses mais tempo… 

É este sentimento de frustração que nos assalta todos os dias. Não ter tempo para observar quem está à nossa frente, porque há cliques para fazer, exames para registar ou documentos para preencher. Não ter tempo para ouvir as aparentes conversas circunstanciais que levam ao principal motivo de consulta. Não ter tempo para integrar conhecimentos ou estudar um caso clínico. Não ter tempo para fazer uma pausa entre consultas e cumprimentar o colega no gabinete ao lado.

Não ter tempo para sentir que somos Médicos de Família.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas