A higiene nasal como uma rotina diária
DATA
19/11/2020 11:36:47
AUTOR
Hugo Rodrigues
ETIQUETAS


A higiene nasal como uma rotina diária

Qualquer obstrução da via aérea causa desconforto e, eventualmente, dificuldade respiratória. As secreções nasais podem ter esse efeito, ao diminuir o calibre da via aérea, particularmente em bebés pequenos, que são respiradores nasais obrigatórios. Quem o diz é Hugo Rodrigues, pediatra na Unidade Local de Saúde do Alto Minho, em Viana do Castelo, e autor do site Pediatria para Todos (www.pediatriaparatodos.com).

“É fundamental faze uma boa higiene nasal, de forma a garantir a sua patência e, assim, permitir um alívio sintomático significativo”, defende.

Sempre que as secreções estiverem presentes, deve-se encarar a higiene nasal mesmo como uma rotina diária, tal como é a prática de lavagem das mãos. “Apesar de ser um procedimento que as crianças nem sempre gostam muito, se for um hábito vai aceitá-lo progressivamente melhor e perceber que melhoram efetivamente quando o fazem”.

Os pais podem introduzir estes hábitos na rotina diária das crianças. Acima de tudo, refere Hugo Rodrigues, há que ser persistente, explicando que “O alívio da obstrução nasal acaba por ser benéfico e as crianças sentem isso. Por esse motivo, deve-se insistir nas primeiras vezes, particularmente nas alturas em que é necessária uma respiração nasal mais eficaz (comer e dormir, por exemplo)”.

Sobre o uso de soluções salinas, o pediatra considera que podem sem dúvida ser um bom aliado. “As soluções salinas liquidificam as secreções, pelo que tornam mais fácil a sua deslocação e consequente limpeza da via aérea”, destaca.

Hugo Rodrigues deixa ainda uma sugestão para que médicos e farmacêuticos possam trabalhar em conjunto para melhorar a consciencialização do público quanto a este tema. “O principal conselho é informar e explicar a sua importância. Se a mensagem for clara e os pais perceberem na prática que efetivamente é um procedimento que melhora o bem-estar dos seus filhos, vão aceitar com normalidade e acabar por torná-lo um hábito no dia-a-dia dos filhos”, afirma.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas