A obesidade como primum movens da diabetes - A Alimentação
DATA
10/12/2021 09:36:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




A obesidade como primum movens da diabetes - A Alimentação

O ganho de peso na vida adulta associa-se de forma exponencial com o aumento da incidência da diabetes (DM). Resultados de vários ensaios clínicos mostram que a redução do peso reduz a sua incidência. Alguns estudos demonstraram que é possível prevenir a progressão da pré-diabetes para diabetes e reduzir a incidência de DM em indivíduos com obesidade.

A modificação do estilo de vida, nomeadamente melhoria de hábitos alimentares, exercício físico e terapia comportamental potenciam os efeitos benéficos da farmacoterapia e da cirurgia bariátrica. Assim, a American Diabetes Association (ADA) preconiza que todos os indivíduos com pré-diabetes e/ ou sobrecarga ponderal sejam monitorizados, pelo menos uma vez por ano, e sejam integrados em programa estruturado, que enfatize alteração do estilo de vida com padrão alimentar variado com restrição energética e atividade física, de intensidade moderada, conducente a perda de 7% ou mais do peso. Resultados de revisão sistemática de vários estudos mostra que a modificação do estilo de vida, nomeadamente Terapêutica Nutricional (TN) e atividade física, são estratégias de prevenção da DM eficientes, custo-efetivas e conducentes a economia de custos. No Diabetes Prevention Program (DPP) a análise estratificada de indivíduos mais velhos demonstrou que a modificação do estilo de vida provoca maior redução na incidência da DM que na amostra total, o que reforça a relevância destas intervenções mesmo nos indivíduos idosos.

No que diz respeito a adultos com Pré-Diabetes e DM, recomenda-se que sejam encaminhados para programa intensivo de intervenção no estilo de vida que inclua metas personalizadas, como o DPP, e/ ou Terapêutica Nutricional (TN) individualizada. Os autores do Consenso de TN assim como a ADA reforçam a relevância destas intervenções intensivas no estilo de vida e da TN individualizada reduzirem custos com a saúde. A TN do DPP para perda de peso e prevenção da diabetes visou restrição energética e de gordura. No entanto, os estudos mostram que não há contributo energético ideal para cada macronutriente. A TN deve-se basear numa avaliação individualizada do padrão alimentar habitual, preferências e objetivos metabólicos. Revisões sistemáticas e meta-análises de vários estudos mostram que maior adesão ao padrão mediterrâneo, à dieta DASH e a dietas vegetarianas se associa a redução da incidência de DM e de eventos cardiovasculares (DCV). Nos diabéticos, a perda de peso melhora a sensibilidade à insulina, reduz o risco de mortalidade total e mortalidades por DM ou DCV. A perda de peso e a restrição energética, têm efeito independente no controlo glicémico e na sensibilidade à insulina. As dietas de muito baixo valor calórico (VLCD) melhoram o metabolismo da glicose antes da perda de peso, o que sugere efeitos metabólicos benéficos no metabolismo hepático por redução da glicogenólise hepática, da acetil-CoA conduzida pelo fluxo da carboxilase do piruvato e da resistência à insulina. Nos primeiros anos após aparecimento de DM, a perda de peso intensiva leva à remoção do excesso de gordura no fígado e pâncreas, conduzindo à normalização da produção hepática de glicose e possível rediferenciação de células β levando à reversão da DM. A American Dietetic Association recomenda que durante os primeiros 6 meses após o diagnóstico, o diabético tenha três a seis Consultas de Nutrição e que o Nutricionista determine a necessidade de consultas adicionais, com base numa avaliação individualizada.

Assim, conclui-se que a perda de peso é recomendada para todos os indivíduos com pré-obesidade ou obesidade, diabéticos ou em risco de se tornarem, e que todos beneficiam de programa intensivo de intervenção no estilo de vida, que inclua metas personalizadas, e de TN individualizada, até porque são estratégias eficientes, custo-efetivas e conducentes a economia de custos com a saúde.

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas