António Alvim: A importância dos rastreios na prevenção e deteção precoce de cancro colorretal
DATA
24/01/2023 17:23:20
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


António Alvim: A importância dos rastreios na prevenção e deteção precoce de cancro colorretal

Leia o artigo de opinião da autoria de  António Alvim, especialista de Medicina Geral e Familiar, na USF Rodrigues Migueis, a propósito do cancro colorretal e da importância dos rastreios e da prevenção. 

Quando se recorre a uma consulta médica por sintomas relacionados com um cancro, geralmente este já está em fase avançada.

E por isso é importante o rastreio em alguns tipos de cancro, tais como o do cancro colorretal e o do colo do útero, em que, mais que o encontrar um cancro em início, o que por vezes, felizmente, acontece, importa detetar, eliminar ou tratar lesões que poderão vir a evoluir para cancro. 

A pesquisa de sangue oculto nas fezes (PSOF)

O cancro colorretal tem, muitas vezes, origem em pólipos. Pólipos que podem ser facilmente removidos e eliminados numa colonoscopia simples.

Como não existe a capacidade de realizar colonoscopias a toda a gente, optou-se por se fazer uma triagem através da pesquisa de sangue oculto nas fezes, que é um exame muito simples e  não invasivo, sem quaisquer risco ou complicações.

Hoje existem métodos de colheita e de guardar a amostra muito fáceis não havendo assim quaisquer razões para não se fazer este exame por repulsa ou nojo.

Aqueles a quem o teste de pesquisa de sangue oculto nas fezes deu positivo, devem fazer colonoscopia. Note-se que uma PSOF positiva geralmente está relacionada com patologia benigna do ânus, como fissuras ou hemorroidas, pelo que uma PSOF positiva não é uma sentença de cancro. Apenas uma indicação para um estudo mais aprofundado através da colonoscopia.

A participação do Médico de Família / Assistente é fundamental…

O Médico de Família tem um papel muito importante no aconselhar este rastreio a quem o consulta. Hoje em dia, as unidades de Médicos de Família organizadas, estão a promover o rastreio sistemático, através da pesquisa de sangue oculto nas fezes de 2 em dois anos, a todos os utentes entre os 50 e os 74 anos, aliás de acordo com as normas da Direção Geral de Saúde. 

Mas sabemos que nem toda a gente tem Medico de Família, e que, tendo, nem todos o consultam.

Na minha vida de Médico de Família, tenho a satisfação de muitos casos de sucesso através da Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes, que permitiu quer detetar, tratar e eliminar   muitos pólipos na fase benigna quer alguns cancros colon-rectais em fase inicial e tratável. Mas também alguns casos em que lamento não se ter pedido a PSOF…

…e a promoção do rastreio por outras entidades também!

Todas as entidades que promovam rastreio do cancro colorretal são bem-vindas, pelo que o Grupo Ageas Portugal, a Médis, a Fundação Ageas e a Europacolon estão de parabéns por esta iniciativa. Iniciativa que tem o mérito fundamental de qualquer rastreio: ter como dar seguimento aos casos positivos, assegurando, neste caso, a rápida colonoscopia.



É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.