Displaying items by tag: Infarmed

Dinheiro & saúde - 03

Os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) gastaram menos 10 milhões de euros em medicamentos entre janeiro e julho de 2016, face ao período homólogo do ano anterior. Os dados são do Infarmed, que associa a poupança ao maior consumo de genéricos.

Os dados ontem divulgados pela autoridade do medicamento relativos ao consumo de medicamentos em ambulatório indicam que, nos primeiros meses do ano, os utentes pouparam 10 milhões de euros com gastos em medicamentos, ainda que o número de embalagens consumidas tenha aumentado.

A redução nos custos para os utentes – de 2,5% face ao mesmo período de 2015 – foi acompanhada por um aumento ligeiro do consumo de embalagens (de 0,3%), assim como da despesa do Estado na área, que cresceu 0,5%.

“Esta poupança dos utentes deve-se em grande medida ao maior consumo de medicamentos genéricos”, salientou o Infarmed, em comunicado publicado no seu website. O organismo acrescenta que os dados relativos ao mês de julho mostram que “a quota de mercado dos genéricos continua em crescimento, fixando-se em 47,4%”.

De acordo com o Infarmed, este ano foram dispensadas 91 milhões de embalagens de medicamentos nas farmácias comunitárias, “que representaram um encargo de 693,5 milhões de euros para o SNS”.

No comunicado da autoridade do medicamento pode ainda ler-se que “O preço médio global dos medicamentos caiu 9,2% desde 2012, sendo que o utente paga hoje menos 8,9% por cada embalagem. Já o dos genéricos está estável, apesar de ainda assim ser inferior ao preço médio das marcas em 50%”.

Published in Medicamento
Tagged under

MEDICAMENTOS 3

Um total de 182 pessoas com doenças raras teve acesso a medicamentos órfãos entre janeiro e agosto, através das autorizações de utilização excecional (AUE), de acordo com as informações da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed).

A mesma entidade avançou que são as doenças oncológicas dominam este tipo de pedidos nos hospitais, tanto no que concerne a medicamentos órfãos (destinados a portadores de doenças raras) como solicitações para tratamento de doenças metabólicas, oftalmológicas ou neuromusculares.

A autoridade do medicamento esclareceu ainda que o recurso às autorizações de utilização excecional existe para os "casos em que estão a decorrer processos negociais com as empresas titulares destes medicamentos", mas também para as situações em que é necessário importá-los, porque "a empresa não solicitou o financiamento para o medicamento em Portugal".

No primeiro semestre deste ano, os tratamentos nos hospitais, com medicamentos aprovados e financiados pelo Serviço Nacional de Saúde e das AUE, totalizaram um investimento de 39,3 milhões de euros.

Published in Mundo
Tagged under

Dr_Henrique_Luz_Rodrigues_Pres_Infarmed001

O presidente do Infarmed, Henrique Luz Rodrigues, passou a integrar a Comissão Coordenadora responsável do Registo Nacional de Estudos Clínicos (RNEC). Segundo o despacho do Ministro da Saúde, publicado no dia 1 de agosto em Diário da República, a Comissão Coordenadora RNEC é composta agora pelo atual responsável do Infarmed, na sequência da cessação do mandato do anterior representante do organismo.

A comissão integra ainda o presidente do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, Fernando de Almeida, e o responsável pela Comissão de Ética para a Investigação Clínica, Alexandre Quintanilha.

O RNEC é uma plataforma eletrónica que visa o registo e a divulgação dos estudos clínicos. Tem como objetivo facilitar e incentivar o desenvolvimento de investigação de qualidade. A divulgação de dados e resultados da investigação desenvolvida é outros dos objetivos desta plataforma, seja para profissionais, investigadores ou público em geral.

Published in Mundo
Tagged under

medicamentos

Mais de 6.800 reações adversas a medicamentos foram notificadas em Portugal, num período de três anos, e menos de 18% respeitavam a genéricos. Estes fármacos mostraram assim ter uma percentagem de reações adversas graves idêntica às dos medicamentos de marca.

De acordo com dados da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), entre 2013 e 2015 foram notificadas, pelos profissionais de saúde e pelos utentes, 6.854 reações adversas a medicamentos, tendo as registadas com genéricos perfeito um total de 1.221, isto é, 17,8% do universo total.

“A frequência de reações adversas graves – em comparação com as não graves – é idêntica no caso dos genéricos (53,6%) e no total dos medicamentos (56,3%)”, refere a nota do Infarmed.

Além disso, dos genéricos analisados pelas autoridades apenas 1,5% foram retirados do mercado devido a não-conformidades, uma percentagem igual à verificada no mercado global.

No entender do Infarmed, estes dados mostram que “não se justifica a existência de qualquer dúvida em relação aos genéricos disponíveis em Portugal”.

Published in Atualidade

Pessoa-mexendo-no-computador.

Vai ser criada em Portugal uma plataforma que integra um projeto internacional, informando os doentes acerca da investigação de medicamentos, incluindo os ensaios clínicos e chamá-los a participar no desenvolvimento de novos tratamentos. Desta Comissão fazem ainda parte Inês Alves, de uma associação de doentes, Nuno Gago, da Universidade de Aveiro, Helena Beaumont, do Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), Cristina Lopes e José Antunes, da Associação da Indústria Farmacêutica Portuguesa (APIFARMA).

O objetivo desta plataforma, que irá integrar a Academia Europeia de Doentes para a Inovação Terapêutica (EUPARI segundo a sigla inglesa), é “criar uma comunidade de pessoas informadas relativamente à sua potencial intervenção na investigação ligada ao desenvolvimento de medicamentos”, podendo ser doentes ou de associações de doentes, mas também profissionais de algumas áreas, de acordo com Beatriz Lima, da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa. Deste grupo fará parte a presidente da Associação de Doenças Reumáticas, Elsa Mateus, a quem caberá preparar a plataforma nacional, que se estima que esteja pronta até dezembro.

“Inicialmente, o projeto estava pensado para 12 plataformas nacionais. Neste momento, já estão previstas 19, até ao final de 2016, e Portugal é uma delas”, afirmou a responsável em entrevista à Agência Lusa.

Com as iniciativas em aberto, o grupo pretende angariar parceiros entre unidades de investigação, indústria, academias e associações de doentes e preparar “workshops” e “eventualmente, uma conferência de lançamento, em dezembro”, acrescentou.

Nas palavras de Elsa Mateus, a participação de Portugal é de extrema importância, quer do ponto de vista nacional, quer europeu, pois “existe um grande desconhecimento sobre todo o processo de investigação e desenvolvimento de medicamentos o que, muitas vezes, dá azo a alguns receios”.

“Este sentimento de receio que, muitas vezes, é gerado por acontecimentos pontuais, seja substituído por um conhecimento ou uma consciencialização informada sobre o papel e potenciais consequências, positivas ou negativas”, afirmou a responsável acrescentando que, “muitas vezes, faltam algumas competências porque o doente é perito na sua própria doença e não propriamente em todo o processo ou na linguagem científica”.

Um doente que entra num processo de experimentação, "espera retirar algum benefício e tem de avançar tendo a noção de que tem benefícios e poderá vir a correr alguns riscos", defendeu a professora da Faculdade de Farmácia, estabelecendo uma diferenciação concreta entre “o cidadão como utilizador, a partir doo momento em que o medicamento está aprovado” e “o cidadão como interveniente ativo no processo de desenvolvimento”, “porque quando as pessoas entram nos ensaios clínicos é exatamente disso que se trata”.

É ainda esperado que o conhecimento acerca dos tratamentos surta efeito na forma como os doentes utilizam os medicamentos.

Published in Mundo

hepatitec1

Mais de 7800 doentes iniciaram tratamentos para a hepatite C em Portugal e já há, pelo menos, 3000 doentes considerados curados.

Os dados foram divulgados pela Organização Mundial da Saúde a propósito do Dia Mundial das Hepatites, que se assinala amanhã (28 de julho) e demonstram que cerca de 400 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem desta doença, sendo que 95% dos infetados desconhece a patologia.

Os dados relativos à população portuguesa são revelados pela Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) e contabilizam um total de 7840 tratamentos iniciados até 1 de julho. Da totalidade de doentes que concluíram o protocolo de tratamento, 3005 encontram-se curados e outros 122 não curados. As informações veiculadas pelo Infarmed abrangem, inclusivamente, doentes tratados com recurso a medicamentos fora do âmbito do acordo celebrado entre o Estado e o laboratório que fornece os fármacos inovadores para esta área, formalizado há cerca de um ano e meio e que prevê o pagamento por doente tratado e não pelo tempo de tratamento ou a quantidade de medicamentos. A comparticipação do Estado português é de 100% no que concerne aos medicamentos abrangidos.

O universo dos doentes potencialmente abrangidos foi definido em 13 mil pessoas, uma referência que poderá sofrer oscilações na medida em que alguns dos doentes seguidos podem não precisar destes fármacos ou, por outro lado, outros fármacos podem ser registados no futuro.

Published in Mundo
Tagged under
segunda-feira, 04 julho 2016 13:59

Projeto IMOVE+: Grupo de acompanhamento reúne no INSA

Vacinação

O Projeto IMOVE+ pretende avaliar a efetividade da vacina antigripal sazonal e antipneumocócica na população com mais de 65 anos de idade, isto é, perceber a eficácia das vacinas no respetivo escalão etário, quer nos cuidados de saúde primários (CSP), quer nos hospitalares.

O encontro da próxima quinta-feira contará com a participação de responsáveis da Direção-Geral da Saúde, Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, SPMS – Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, Sociedade Portuguesa de Pneumologia e Associação Nacional das Farmácias, do Centro Hospitalar Lisboa Central e do Centro Hospitalar de Setúbal.

A reunião tem como objetivo apresentar os resultados da implementação do IMOVE+ em 2015/2016, bem como no primeiro ano de implementação do estudo da efetividade e impacto da vacina antipneumocócica.

Os resultados deste estudo serão um importante contributo para a tomada de medidas preventivas, como por exemplo – informar acerca dos grupos-alvo a quem devem ser disponibilizadas as vacinas, implementar medidas de prevenção complementares à vacinação em épocas em que as vacinas sejam menos eficazes do que o esperado e contribuir para posterior melhoria na eficácia das vacinas.

Esta iniciativa internacional reúne especialistas de vários países que representam institutos de saúde pública e universidades, sendo o INSA uma das 23 entidades integrantes deste consórcio, a única portuguesa e que, desde 2008, é responsável pela gestão de cerca de 5% desse valor. Com um orçamento global de 7,4 milhões de euros, no âmbito do Horizonte 2020 – Programa-Quadro Comunitário de Investigação & Inovação, o IMOVE+ tem a duração de 36 meses.

Published in Mundo

vacina2

A Autoridade do Medicamento concedeu autorização de utilização excecional a este fabricante após a única vacina licenciada se encontrar indisponível e sem alternativa.

“Atendendo a que esta vacina dispõe de uma estirpe distinta da que era anteriormente administrada no âmbito do Programa Nacional de Vacinação, o Infarmed recomenda que os médicos, farmacêuticos e enfermeiros estejam especialmente atentos a eventuais reações adversas a esta vacina, à semelhança do que sucede com todos os novos medicamentos”, referiu o Infarmed em comunicado sugerindo ainda que os utentes e familiares de crianças que vão receber esta vacina notifiquem de igual forma estes eventuais efeitos ou reações.

No início deste mês, a Direção-geral da Saúde indicava que Portugal tinha 64 mil doses de vacina prontas para serem colocadas nas instituições e um “canal aberto de importação do Japão”.

A vacina BCG contra a tuberculose, que era administrada a todas as crianças logo após o nascimento, vai passar a ser dada apenas a crianças que pertencem a grupos de risco, sendo esta uma das várias novidades do novo Programa Nacional de Vacinação.

De acordo com a subdiretora geral da Saúde, Graça Freitas, que coordena o Programa Nacional de Vacinação (PNV), a transição da vacinação universal para a proteção de grupos de risco é “um momento histórico”.

A partir de 01 de janeiro de 2017, apenas serão vacinadas com a BCG as crianças que pertencem a famílias com risco acrescido para a tuberculose ou as que vivem numa determinada região com uma taxa da doença superior à do país (como nos distritos de Lisboa e Porto).

Published in Mundo
Tagged under
Pág. 18 de 25
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.