Displaying items by tag: TAC

O Hospital de Bragança está sem Tomografia Axial Computorizada (TAC), pelo menos, até 21 de setembro, o que impede a realização de exames de imagem na principal Urgência do Nordeste Transmontano em casos graves como as vítimas de AVC.

Published in Atualidade

O Hospital de São João, no Porto, é o único português a integrar o processo de “validação” do sistema de Inteligência Artificial (IA) europeu para “um diagnóstico mais fiável” de Covid-19 a partir de tomografias computadorizadas (TAC).

Published in Atualidade
quarta-feira, 03 outubro 2018 16:45

Hospital de Barcelos com TAC a partir de novembro

O Hospital de Barcelos vai dispor de tomografia axial computorizada (TAC) a partir de meados de novembro, após um investimento de cerca de 400 mil euros em equipamento e obras de instalação.

Published in Atualidade
Tagged under

A Administração Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) informou ontem que a tutela assumiu os custos da aquisição de um equipamento de tomografia axial computorizada (TAC) para o Hospital de de Santa Maria Maior, em Barcelos.

Published in Atualidade
Tagged under
terça-feira, 24 novembro 2015 17:52

Portugal tem TAC mais potente do mundo

Novo Equipamento TAC
O Hospital Lusíadas Lisboa é o primeiro hospital do país a disponibilizar um aparelho inovador de TAC (tomografia computorizada) que permite um diagnóstico mais rápido e seguro de várias doenças. Este novo equipamento possibilita a realização de uma TAC em crianças sem necessidade de sedação, na maioria das vezes, e está adaptado a doentes com fibrilhação auricular, arritmias ou próteses.

Para além de único em Portugal, este equipamento é o segundo na Península Ibérica (o primeiro está em Barcelona) e junta-se aos apenas 30 que existem em toda a Europa.

O aparelho, de 640 cortes, utiliza uma dosagem e contraste inferiores quando comparado com os convencionais equipamentos e consegue, numa única rotação, captar uma imagem de 16 centímetros, possibilitando obter uma imagem de um órgão inteiro. Inclui ainda um software de quarta geração que reduz a dose de radiação, fazendo com que doentes com, por exemplo, stents possam também agora realizar este exame de diagnóstico.

A inovação do equipamento destaca-se na área pediátrica, uma vez que permite que as crianças realizem este exame sem recurso à sedação e movimento de mesa. A particularidade de obtenção de imagem em one-shot aumenta a rapidez do exame, melhora a qualidade da imagem e diminui a dose de radiação a que as crianças estavam anteriormente sujeitas.

Os doentes cardíacos são outro grupo que irá beneficiar do novo equipamento, uma vez que o exame faz o estudo completo do coração num único ciclo cardíaco em apenas 0,1375 segundos. Deste modo, os médicos vão poder avaliar possíveis alterações da anatomia e fisiologia do coração e as pessoas com um índice de cálcio coronário superior a 400, que antes não podiam realizar uma TAC para o estudo coronário, vão poder realizá-la.

Na área músculo-esquelética, o exame vai permitir a visualização do movimento e ajudar a detetar problemas que não são visíveis estaticamente, outra mais-valia que não se verificava com os equipamentos convencionais porque a cobertura anatómica do equipamento não o permitia. O aparelho subtrai também o osso/cálcio, permitindo uma visão melhorada dos vasos e ajudando a obter um diagnóstico mais rápido.

Também a neurologia vai ganhar com este equipamento com a possibilidade de se realizar um estudo completo do cérebro, que inclui arteriografia, venografia e perfusão, numa única rotação. Outra mais-valia estende-se aos estudos vasculares, uma vez que vai ser possível fazer uma Angio-TAC de corpo inteiro, ajudando no diagnóstico de doenças como a estenose aórtica, aneurismas da aorta abdominal e outras alterações nas artérias do corpo.

Published in Mundo
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.