Displaying items by tag: Takeda

A empresa farmacêutica Takeda acaba de anunciar o lançamento da Life Enablers, uma iniciativa dirigida a estudantes universitários que pretender acelerar ideias inovadoras que melhorem a qualidade de vida de doentes e das respetivas famílias.

Published in Terapêutica
segunda-feira, 29 janeiro 2018 14:19

Takeda entre as 100 empresas mais sustentáveis do mundo

A Takeda anunciou, no Fórum Económico Mundial, em Davos, que foi uma das organizações selecionadas, pelo terceiro ano consecutivo, para o “Global 100 Most Sustainable Corporations in the World”.

Published in Terapêutica
Tagged under

A empresa farmacêutica Takeda apresentou os resultados interinos do estudo aberto, em curso, de segurança a longo prazo (LTS) GEMINI no 12º Congresso da Organização Europeia de Crohn e Colite (ECCO), que decorreu em Barcelona, Espanha, entre 15 e 18 de fevereiro.

Published in Terapêutica
Tagged under
sexta-feira, 27 janeiro 2017 11:56

Infarmed aprova Adcetris para uso em meio hospitalar

A empresa farmacêutica Takeda informa que o Infarmed deferiu o processo de avaliação do medicamento Adcetris (brentuximab vedotina) da Takeda para o tratamento de doentes adultos com linfoma de Hodgkin (LH) CD30+ recidivante ou refratário e para o tratamento de doentes adultos com linfoma anaplásico de grandes células sistémico (LAGC) recidivante ou refratário.

Published in Terapêutica
Tagged under

A empresa farmacêutica Takeda informou que a Comissão Europeia concedeu a autorização de introdução no mercado condicional para NINLAROTM (ixazomib) cápsulas, em combinação com lenalidomida e dexametasona, para doentes adultos com mieloma múltiplo que tenham recebido pelo menos uma terapêutica prévia.

Published in Terapêutica
Pág. 3 de 3
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.