Bolsas de Cidadania Roche: candidaturas abertas até 30 de março
DATA
19/02/2018 12:15:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Bolsas de Cidadania Roche: candidaturas abertas até 30 de março

Estão abertas as candidaturas para a quarta edição das Bolsas de Cidadania Roche, que reconhece projetos e ideias de associações de doentes e outras Organizações Não Governamentais (ONG) que promovam a saúde e informação dos doentes.

“Dado o grande número de submissões nos anos anteriores, a Roche decidiu criar mais uma bolsa e aumentar, em 2018, o financiamento total do projeto para 60 mil euros”, explicou a farmacêutica em comunicado, acrescentado que “as seis bolsas se destinam a financiar projetos e ideias capazes de fomentar a participação dos cidadãos e dos doentes nos processos de decisão em saúde, de informar os doentes dos seus direitos de acesso à informação e ao envolvimento nas decisões individuais de tratamento”.

A Roche acrescentou que serão “valorizados os projetos que abordem a temática do cancro, doença de Alzheimer e outras demências, esclerose múltipla ou hemofilia”.

A análise das candidaturas e a decisão sobre os vencedores das bolsas será feita por um júri independente, sendo que a ação se enquadra “na Política de Responsabilidade Social da empresa e resulta do seu compromisso em assumir um papel ativo na sociedade”, pode ler-se.

Na edição de 2017, foram atribuídas cinco bolsas no valor de 45 mil euros à Europacolon Portugal, à Associação Portuguesa de Hemofilia, à Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas, à Associação de Familiares, Utentes e Amigos do Hospital Magalhães Lemos e à Associação Pata D’Açúcar.

As candidaturas estão abertas até 30 de março.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas