Especialistas alertam para os riscos associados ao “uso e abuso” de corticoides sistémicos orais na asma grave
DATA
02/02/2021 09:37:06
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Especialistas alertam para os riscos associados ao “uso e abuso” de corticoides sistémicos orais na asma grave

Foram recentemente publicados no Pulmonology Journal os resultados do estudo ROSA (Reducing Oral corticoteroids in Severe Asthma) que derivou de uma discussão interpares das especialidades médicas de Imunoalergologia e Pneumologia. Deste estudo resultou um documento nacional de consenso que alerta para os riscos associados ao “uso e abuso” de corticosteroides sistémicos (CS) orais no tratamento do doente com asma grave. A pneumologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Cláudia Chaves Loureiro, além de uma das autoras deste estudo, reforçou a mensagem de que “é imperioso” que o uso de corticoides sistémicos orais seja “racionalizado e minimizado”, propondo-se, sempre que possível, a substituição da corticoterapia sistémica por outras “estratégias terapêuticas disponíveis”.

Por favor faça login ou registe-se para aceder a este conteúdo

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.