×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Lisboa vai monitorizar 200 pessoas para perceber impactos do desporto no seu bem-estar
DATA
06/07/2017 09:58:04
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Lisboa vai monitorizar 200 pessoas para perceber impactos do desporto no seu bem-estar

A Câmara Municipal de Lisboa e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa assinaram ontem um protocolo para a implementação de um projeto-piloto que abrangerá 200 pessoas e que monitorizará o impacto da atividade física nas suas vidas.

O programa “Lisboa +55” terá a duração de um ano e abrangerá duas centenas de pessoas com mais de 55 anos que estejam ligadas a 10 centros de dia ou instituições.

Apesar de as aulas e atividades serem abertas à comunidade e poderem decorrer em espaços públicos, apenas estas 200 pessoas serão consideradas no estudo.

“Durante um ano, as pessoas terão acesso a atividade física e cuidados de saúde e serão monitorizadas no sentido de perceber quais os impactos do desporto no seu bem-estar e dia-a-dia”, afirmou à Agência Lusa o vereador dos Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, João Afonso.

A ideia, continuou o autarca, é que “o projeto se desenvolva a nível local, com a ajuda dos clubes” e outras entidades, mas sob a orientação da Câmara Municipal e da Santa Casa da Misericórdia.

Para já, a Câmara de Lisboa irá investir “10 mil euros na contratação de monitores e professores para as aulas”, avançou o vereador, acrescentando que algumas das restantes “mais-valias serão asseguradas por protocolos anteriores” já existentes.

Este programa “insere-se na estratégia de envelhecimento ativo da cidade” e “abrange o pelouro dos direitos sociais e do desporto”, apontou João Afonso, considerando que constitui uma “abordagem ao envelhecimento em várias áreas”.

Nesta matéria “não podemos olhar só para uma área de especialização, há que ter uma visão transversal”, advogou.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas